Notícias

Conta de luz deve baratear também para consumidor
29/08/2012

 

Expectativa é que tarifa de energia consumida nos domicílios caia 10%

 

Principal meta de plano do governo, porém, é baixar custo do setor industrial, que deve ter redução média de 20%

VALDO CRUZ
DE BRASÍLIA
ANDRÉIA SADI
DO PAINEL, EM BRASÍLIA

A última versão do plano de redução do custo de energia elétrica, que deve ser anunciado em setembro, prevê um corte médio de 20% nas contas das indústrias e de 10% nas dos consumidores domésticos.


A medida ainda não está totalmente fechada porque o governo ainda calcula se poderá abrir mão da receita de tributos que seriam cortados para reduzir o custo.


A avaliação definitiva deve acontecer após o fechamento do projeto do Orçamento da União, que será enviado ao Congresso no final do mês.


A presidente Dilma aposta na medida para dar novo fôlego à economia e garantir, no próximo ano, um crescimento de pelo menos 4%.


A redução da tarifa passaria a valer em 2013 e atenderia a uma das maiores reclamações do empresariado, que aponta um preço maior da eletricidade brasileira em relação ao que pagam concorrentes em outros países.


Setores de uso intensivo de energia, como o de alumínio, chegaram a cogitar reduzir de tamanho no país.


Esses devem ser os mais beneficiados com a mudança. Segundo a Folha apurou, a redução vai variar de acordo com a tensão elétrica, garantindo cortes maiores para os setores de uso intensivo.


PLANO 


O plano começou a ser elaborado depois de reunião, no início do ano, entre a presidente e grandes empresários, na qual Dilma prometeu baixar o custo da energia.


Além da retirada de encargos federais que encarecem a eletricidade, a redução da tarifa deve vir por meio de negociação com as atuais concessionárias de hidrelétricas.


Os contratos vencem em 2015 e, pela lei atual, as usinas iriam a um novo leilão. O governo vai, porém, permitir nova renovação das concessões, desde que as empresas hoje donas das usinas aceitem reduzir a tarifa.


O argumento é o de que a totalidade dos investimentos já foi paga, o que reduz o custo das empresas à operação e manutenção das usinas.


A medida provisória que tratará do tema vai garantir que a renovação das concessões já aconteça no próximo ano, para que os efeitos da redução do preço sejam repassados a empresários e consumidores em 2013.


Em relação aos encargos, o governo já fechou questão na retirada de três deles: a CCC (Conta de Consumo de Combustíveis), a CDE (Conta de Desenvolvimento Energético) e a RGR (Reserva Global de Reversão). Outros podem ser incluídos no pacote.


Fonte: Folha de S.Paulo/Mercado