Notícias

Pesquisadora brasileira na Universidade de Lisboa compara desigualdades no Brics
04/01/2013

 





Gilberto Costa - Correspondente da EBC 04.02.2013 – 07h11



 



Dados revelam que apesar da melhoria, Brasil ainda é o
segundo maior em desigualdade entre as grandes economias emergentes. (Stefanie
Schwarz / Creative Commons)



Lisboa – Entre as cinco maiores economias emergentes, o
Brasil foi a que mais diminuiu a desigualdade socioeconômica nas últimas duas
décadas. A conclusão consta de estudo comparativo, feito no ano passado com
base em dados secundários (de organismos multilaterais internacionais como as
Nações Unidas e o Banco Mundial) e publicado pelo Observatório das
Desigualdades da Universidade de Lisboa.



 



Segundo a autora do estudo, Maria Silvério (mestranda em
antropologia na área de migrações, globalização e multiculturalismo no
Instituto Universitário de Lisboa), o Brasil é, entre os países do Brics (grupo
formado pelo Brasil, a Rússia, Índia, China e África do Sul), o único que
“conseguiu diminuir consideravelmente a desigualdade de renda nos últimos 20
anos, saindo de um [coeficiente de] Gini de 0,61 em 1990 para 0,54 em 2009”. No
índice (um dos mais usados para comparações socioeconômicas entre países),
criado pelo estatístico italiano Corrado Gini, 
zero representa a igualdade total de renda.



 



Em intervalos de tempo nas duas últimas décadas, Maria
Silvério observou que os demais países tiveram concentração de renda. “A África
do Sul obteve um crescimento acentuado no Gini, que passou de 0,58 em 2000 para
0,67 em 2006 (...) A Rússia apresentou grandes oscilações no Gini, que foi de
0,24 em 1988 para 0,46 em 1996. Em 2002, o índice caiu para 0,36 e voltou a
subir em 2008 para 0,42 (…) A China e a Índia apresentaram em 2005 um
coeficiente de Gini de 0,42 e 0,37, respectivamente”, mostra o trabalho.





 



Os dados revelam que apesar da melhoria, o Brasil ainda é o
segundo maior em desigualdade entre as grandes economias emergentes - só não é
pior que a África do Sul que, até meados da década de 1990, vivia sob o
apartheid (regime político e econômico de segregação racial). “O que chama a
atenção no Brics é que o Brasil tem pessoas tão pobres quanto as mais pobres do
mundo e tão ricas quanto as mais ricas”, explicou a pesquisadora à Agência
Brasil.



 



Na opinião de Maria Silvério, a diminuição da desigualdade e
o consequente aumento da classe média podem favorecer o crescimento da economia
brasileira. “Normalmente, o que mais faz um país crescer é a classe média, que
consome muito. Por ser classe média, tem expectativa de crescer mais ainda – o
que fomenta a economia com maior circulação de bens e a compra de automóveis e
imóveis”; avalia.



 



Além do coeficiente de Gini, Maria Silvério comparou a
situação de homens e mulheres, a escolaridade e o acesso à saúde no Brics. À
exceção da África do Sul, aumentou a expectativa de vida e diminuiu a
mortalidade infantil entre as economias emergentes nos últimos 20 anos. O
Brasil  apresentou o maior crescimento da
expectativa de vida (7,2 anos) e tem, juntamente com a China, a população com
idade mais longeva (73,5 anos), em média.



 



A Rússia tem os melhores indicadores de mortalidade infantil
e de escolaridade. No ex-país socialista, a mortalidade caiu de 27 mortes de
crianças (até 5 anos) para cada mil nascidos (em 1990) para 12 óbitos na mesma
proporção (em 2009). O Brasil teve a queda mais acentuada: de 56 para 21 mortes
para cada mil nascidos e está à frente da Índia e da África do Sul (66 mortes).



 



Sobre a escolaridade média dos adultos, o Brasil (com 7,2
anos) apresenta pior indicador do que a Rússia (9,8 anos), a África do Sul (8,5
anos) e a China (7,5 anos) – superando apenas a Índia (4,4 anos). A
escolaridade entre os emergentes é mais baixa que nos Estados Unidos (12,4
anos), na Alemanha (12,2), no Japão (11,6) e na França (10,6).



 



No Brics, o Brasil é o país com a maior proporção de
mulheres com o ensino médio completo Para cada grupo de mil homens com essa
escolaridade havia (em 2010) 1.054 mulheres com o mesmo tempo de escola.



 



Na China, há a maior proporção de mulheres no mercado de
trabalho. Para cada função de homem empregado, havia 0,805 função de mulheres
(dado de 2009). No Brasil, a proporção é de uma função de homem para cada 0,734
de mulheres empregadas.



 



Edição: Graça Adjuto



 



Direitos autorais: Creative Commons - CC BY 3.0

 

Fonte: Agência Brasil