Notícias

'O Cisne de Prata': novo romance de John Banville
27/02/2013

 





 



27 de fevereiro de 2013 | 9h 26



AE - Agência Estado



O patologista Garret Quirke recebe um estranho recado: um
antigo colega, Billy Hunt, que o despreza nos tempos de escola, pede para
conversar, pois tem um pedido urgente e delicado. A mulher de Hunt fora
encontrada morta e, antes da chegada da polícia, ele gostaria que Quirke
impedisse que a mulher fosse desmembrada. É dessa forma misteriosa que começa o
romance O Cisne de Prata (Rocco), segundo policial publicado no Brasil do
escritor irlandês Benjamin Black.



 



O livro anterior, O Pecado de Christine, que apresenta aos
leitores o trabalho de Quirke, também já foi editado por aqui e outros já
preparados pelo autor estão a caminho. Mas, tão misteriosa como sua trama é o
próprio Black. Isso porque, quem for bater à sua porta, encontrará John
Banville, um dos mais prestigiados escritores da atualidade, ganhador do Booker
Prize (principal prêmio literário da comunidade anglo-saxônica) por O Mar,
lançado no Brasil pela Nova Fronteira.



 



Admirador de policiais, Banville decidiu esculpir uma
persona própria para dar vazão às suas tramas recheadas de assassinato, doses
sutis de erotismo e, principalmente, um ponto que lhe torna peculiar,
minuciosas descrições da sociedade irlandesa dos anos 1950, época em que
ambienta suas histórias.



 



Quando escreve policiais, Banville/Black preocupa-se com a
ação. Em outros casos, uma das principais atenções está na construção do estilo
- John Banville trabalha a linguagem como um grande estilista. É o que mostra
em O Mar, romance sobre o modo de crescer e de envelhecer, como bem definiu o
jornal inglês The Times. Já John Sutherland, presidente do júri do Booker Prize
daquele ano de 2005, classificou-o como um estudo sobre a "dor, a memória
e o amor". Também há quem o veja como um "escritor de
escritores", pelo modo como se apropria das vozes e com elas reelabora a
linguagem.



 



As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Fonte: Estadão.com.br