Notícias

São Paulo a Sorocaba de trem
18/07/2013

 

Projeto integra plano que prevê a construção de 431 km de trilhos incluindo também as regiões metropolitanas de Campinas, Baixada e São José dos Campos

 





São Paulo a Sorocaba de trem



O trem percorrerá os 87,65 quilômetros de São Paulo a
Sorocaba em 51 minutos. Com velocidade de até 160 km/h, a linha férrea será
operada por oito trens com intervalo de 15 minutos. Serão 54 viagens diárias para
transportar de 18 a 20 mil pessoas. O valor da passagem ficará entre R$ 20
(tarifa do ônibus) e R$ 36 (custo da viagem de carro). O edital para
contratação de projetos básico e executivo da linha será lançado em outubro, e
as obras deverão começar em 2016. Com custo entre R$ 4 bilhões e R$ 5 bilhões,
deverá entrar em operação em 2020.



O projeto do Trem Regional São Paulo–Sorocaba da Companhia Paulista
de Trens Metropolitanos (CPTM) prevê quatro estações: na capital (Estação Água
Branca), em São Roque (no meio do percurso), e em Sorocaba (Brigadeiro Tobias e
no centro da cidade). O valor da tarifa é uma das exigências previstas no
projeto funcional que foi apresentado sexta-feira (12) em duas audiências
públicas: uma no centro de São Paulo pela manhã e, à tarde, em Sorocaba. Os
presentes receberam esclarecimento dos serviços técnicos de engenharia e meio
ambiente para participar da licitação.
Será concorrência técnica e por preço, com a possibilidade
de participação de consórcios e prazo de execução de serviços de 30 meses,
informou Luiz Alfredo, engenheiro da CPTM, vinculada à Secretaria Estadual dos
Transportes Metropolitanos. O diretor de planejamento da companhia, Silvestri
Rocha Ribeiro, diz que o tesouro paulista investirá parte dos recursos do trem regional
e há grande probabilidade de a obra ser tocada por Parceria Público-Privada
(PPP).



Viagem de trem – Não está definida se a concorrência será
internacional nem se técnicos estrangeiros poderão participar. “Precisamos de
estudos de viabilidade e de elaboração dos projetos básico e executivo para
avançar”. Os estudos de impacto ambiental deverão ser contratados em 2014, após
definição do traçado e estudos de sondagens e geometria de solo, entre outros.
Pelo projeto funcional, a linha corre em eixo paralelo à Rodovia Castelo
Branco.
“Há excesso de curvas com raios fortes que podem ser
modificados em estudos alternativos, mas não deve se deslocar muito”, avalia
Ribeiro.



Para Sérgio Gonçalves, engenheiro consultor da Headwayx
Engenharia, o expresso melhorará a mobilidade urbana ao integrar à rede
metropolitana e atenderá a antiga demanda de passageiros. Rita Torres, consultora
da ATP Engenharia, diz que o empreendimento é fundamental porque o transporte
rodoviário está saturado. “Não dá mais para construir rodovias e a capital não
comporta mais veículos em circulação. O maior apelo é o tempo de viagem feita
por trem”.



A linha abrangerá área de influência de 22 municípios, com
população de 3 milhões de habitantes. Participantes da audiência pública da
capital pediram aumento de estações para contemplar mais cidades. Ribeiro
respondeu que a configuração atual atenderá a demanda, mas se no futuro houver
necessidade, poderá ser ampliada. A estação Sorocaba poderá ter parte das instalações
aproveitadas, mas dependerá de viabilidade, diz o diretor. As outras três serão
construídas. Ele também não descartou a possibilidade de outros serviços
compartilhando a mesma infraestrutura, como um trem expresso.



Expansão sobre trilhos – Pelos estudos, são feitas 77 mil
viagens diárias entre os 22 municípios e a Região Metropolitana de São Paulo.
Por mês, os ônibus transportam 415 mil passageiros. O tempo de viagem varia de
78 a 114 minutos. Com o trem, haveria redução desse tempo em até 48 minutos e
diminuiria a quantidade de ônibus e automóvel em circulação nas rodovias e a
emissão de gases tóxicos.

O trem sorocabano integra plano de expansão da malha
metroferroviária que propõe interligação por trilhos das regiões metropolitanas
de São Paulo, Campinas, Baixada Santista, São José dos Campos e a aglomeração de
Sorocaba. O Trem Expresso Jundiaí (ligação sobre trilhos entre São Paulo e Jundiaí)
está em fase de conclusão do estudo funcional, e o Trem de Santos, com projeto funcional,
informa Ribeiro.



O investimento previsto nos trens regionais é de R$ 18,5
bilhões. A proposta prevê construção de rede de 431 quilômetros, ligando essas
cidades que concentram 53% da frota estadual de veículos e 63% da população
paulista, para transportar 465 mil passageiros por dia.



Claudeci Martins



Da Agência Imprensa Oficial

 





Características do trem regional



• Extensão em via dupla: 87,65 km



• Quatro estações: Água Branca (São Paulo), São Roque,
Brigadeiro Tobias (Sorocaba) e Sorocaba



• Velocidade comercial: 160 km/h



• Tempo de viagem: 51 minutos



• Intervalo entre trens: 15 minutos



• Viagens diárias: 54



• Tarifa: inferior ao custo de viagem de carro (R$ 36) e
competitiva com o valor da passagem de ônibus (R$ 20)



• Tempo de viagem de Sorocaba a SP: de carro varia entre 78
pela manhã e 114 minutos à tarde. E a velocidade, de 47 km/h a 81 km/h



• Municípios na área de influência: 22



• Viagens diárias de e para RMSP: 77 mil – 40% de automóvel
e 60% de ônibus



• Passageiros: ônibus transportam 415 mil pessoas por mês



• População desses municípios: 3 milhões, excluída a cidade
de São Paulo

DOE, Seção I, 16/07/2013, p. I