Notícias

SUS oferece novas drogas contra câncer de pulmão
08/11/2013

 

Remédios já estarão disponíveis em 2014

 

JOHANNA NUBLAT
DE BRASÍLIA

A rede pública de saúde vai passar a oferecer quatro novos medicamentos contra a hipertensão arterial pulmonar e o câncer de pulmão.

Hoje obtidos por meio de demandas judiciais, devem estar disponíveis já em 2014 a ambrisentana e a bosentana (usadas no combate à hipertensão arterial pulmonar) e o erlotinibe e o gefitinibe (contra o câncer de pulmão).

De acordo com o Ministério da Saúde, as inclusões serão publicadas no "Diário Oficial" da União de hoje.

O ministro Alexandre Padilha (Saúde) diz que as inclusões são demandas antigas de especialistas e ressalta o benefício para o paciente, pois os remédios são na forma de comprimidos. "O uso da medicação em domicílio contribui para a melhoria da qualidade de vida."

Os medicamentos contra a hipertensão arterial pulmonar serão oferecidos a pacientes que já tentaram tratamento com outro remédio (sildenafila), mas precisam de uma alternativa. Ou como primeira tentativa em situações especiais --como menores de 18 anos e pacientes com HIV que usam antirretrovirais.

Renato Maciel, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, comemorou a incorporação dos remédios, esperada há mais de ano, afirma ele.

"É uma doença de prognóstico grave, com mortalidade média quando não tratada em até 32 meses", diz.

Segundo a sociedade, entre 3.000 e 4.000 pacientes se tratam da doença no país.

O médico afirma que, em algum momento, a maior parte dos pacientes deixa de responder à primeira alternativa de tratamento, demandando uma segunda opção.

De acordo com Maciel, há uma terceira alternativa de droga, para além dos medicamentos agora ofertados. Ele acredita que, no prazo de dois anos, a demanda por essa terceira via deve crescer.

Já o erlotinibe e o gefitinibe devem beneficiar pacientes em estágio avançado ou metastático de um tipo específico de câncer de pulmão.

Segundo Anderson Silvestrini, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, mais de 20% dos pacientes são elegíveis à utilização dos remédios, que podem ter impacto no avanço da doença e na mortalidade.

Silvestrini alerta que o dinheiro dado pelo governo aos hospitais para cobrir esses medicamentos pode não ser o bastante. O ministério, porém, avalia que a quantia é suficiente.

Folha de S. Paulo