Notícias

Prévia do PIB aponta crescimento da economia de 2,52% em 2013
14/02/2014

 

No quarto trimestre, economia encolheu 0,17%, segundo IBC-Br, do Banco Central

 

Eduardo Cucolo, da Agência Estado

BRASÍLIA - A economia brasileira cresceu 2,52% em 2013, segundo o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB). O índice, sem ajuste sazonal, passou de uma média mensal de 141,93 pontos para 145,50 pontos. A variação do IBC-Br ficou igual à mediana das projeções dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado (-2,52%). O intervalo das estimativas era de 2,25% a 2,70%.

O IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses e tem grande influência sobre as estimativas do mercado financeiro para o Produto Interno Bruto (PIB), divulgado a cada três meses pelo IBGE.

O resultado do PIB do quarto trimestre de 2013 será conhecido na última semana de fevereiro. O indicador também é conhecido popularmente como "PIB do BC", embora não possa ser considerado como uma prévia do dado do IBGE.

No quarto trimestre, houve queda de 0,17% em relação ao trimestre anterior, no dado com ajuste. O indicador avançou de uma média mensal de 145,66 pontos entre julho e setembro para 145,42 pontos entre outubro e dezembro de 2013. Nesta comparação, o resutlado ficou abaixo das projeções, que variavam de queda de 0,20% a crescimento de 0,40%.

Na comparação com o mesmo período de 2012, o IBC-Br passou de 142,74 pontos para 145,04 pontos, com uma variação de 1,62% (dado sem ajuste) no período.

Em dezembro, o indicador caiu 1,35%, após registrar queda de 0,64% em novembro ante outubro. Na comparação entres os meses de dezembro de 2013 e de 2012, houve elevação de 0,71% na série sem ajustes sazonais. Os dados de dezembro foram influenciados pelos resultados da produção industrial e do comércio, que tiveram retração no fim do ano passado, conforme informou recentemente o IBGE.

Revisão. O Banco Central revisou os dados do índice de atividade econômica calculado pela instituição. Para novembro, foi revisto para -0,64%, ante -0,31% na primeira divulgação. Para outubro de 2013, foi revisado para 0,60%, ante 0,71%. Para setembro, foi revisto para 0,16%, ante -0,03%. Para agosto de 2013, foi alterado para 0,01%, ante taxa de 0,05%. Para julho, foi revisto para -0,29%, ante -0,21% na divulgação anterior.

Os números do IBC-Br no primeiro semestre de 2013 também foram revisados, na comparação mensal. Para junho, foi alterado para 0,70%, ante 0,74% na divulgação anterior. Para maio de 2013, foi alterado para -1,35%, ante taxa de -1,27%. Para abril, foi revisto para 0,89%, ante 0,96% na divulgação anterior.

Também houve revisão dos dados mensais de março (de 0,97% para 0,88%), fevereiro (de -0,29% para -0,26%) e janeiro (de 1,23% para 0,85%).