Notícias

Governo vai repassar para tarifa custo extra com energia no verão
16/02/2014

 

Ideia inicial era que Tesouro arcasse com 50% e a outra metade fosse paga por consumidores

 

Seca atípica, porém, pode elevar fatia que sairá dos cofres públicos; valor deve chegar à conta em 2015

VALDO CRUZ
JÚLIA BORBA
DE BRASÍLIA

O governo já decidiu que vai dividir com a população o custo extra das usinas termelétricas, que estão sendo acionadas além do previsto neste início de ano por causa da seca atípica que reduziu o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas.

O percentual que cada parte terá de assumir ainda está em estudo. A ideia inicial, segundo a Folha apurou com um assessor presidencial, era dividir "metade, metade".

Como os gastos extras estão ficando maiores, o Tesouro Nacional pode arcar com uma parcela um pouco mais elevada, reduzindo o peso que será transferido para a tarifa dos consumidores.

A tendência é que essa parcela seja repassada para a conta somente em 2015, afirmou reservadamente um auxiliar da presidente Dilma, lembrando que o custo das térmicas usadas em 2013 ainda não foi transferido.

Quando o Tesouro assumiu a despesa de 2013, foi determinado que os gastos seriam repassados gradualmente para as tarifas, em até cinco anos.

Até o momento, o governo definiu apenas que o consumidor deve arcar com um aumento de 4,6% em 2014.

O objetivo é evitar aumentos elevados de energia neste ano para não gerar um desgaste político para Dilma, que transformou a redução nas tarifas em bandeira eleitoral.

Por outro lado, a equipe econômica tenta, ao mesmo tempo, encaixar a despesa extra nas contas oficiais de 2014 e definir um corte em outras despesas que garanta uma meta fiscal crível.

As agências de risco já avisaram o governo federal que podem rebaixar a nota de classificação de investimento do Brasil caso o aperto nas despesas não seja confiável nem suficiente para reduzir a dívida pública.

CORTE

Em setembro de 2012, Dilma lançou, em tom de campanha, um programa de corte médio de 20% nas tarifas de energia elétrica. Desde então o governo tem buscado evitar repasses nas tarifas.

No ano passado, a conta das térmicas fechou em quase R$ 10 bilhões, valor bancado pelo Tesouro. Neste ano, com a seca atípica no verão, o custo deve ficar ainda maior.

Cálculos do setor estimam que cada R$ 1 bilhão extra representa 1% de aumento na tarifa. Ou seja, em 2013 e 2014 juntos, o aumento que deveria bater no bolso do consumidor seria próximo a 20%.

A energia das usinas térmicas, movidas a óleo ou gás, é mais cara que a de hidrelétricas, o que gera um custo extra para o sistema elétrico.

Folha de S. Paulo