Notícias

Plano antirracionamento pode levar 6 meses
27/02/2014

 

Para técnicos, será possível usar o chamado volume morto de água do sistema Cantareira apenas no meio do ano

 

No curto prazo, redução de consumo e chuvas torrenciais são as únicas soluções para evitar um colapso

EDUARDO GERAQUE
DE SÃO PAULO

O uso do volume morto do sistema Cantareira, uma das saídas cogitadas pelo governo de São Paulo para evitar o racionamento de água em parte da Grande São Paulo, não será tecnicamente viável antes de aproximadamente seis meses e pode custar caro, segundo especialistas.

Volume morto é o estoque das represas que só pode ser utilizado com o auxílio de técnicas que exigem obras.

Ou seja, para usar essa água --que tem muito lodo e está no fundo dos reservatórios, abaixo dos dutos de captação-- será preciso instalar equipamentos.

Para técnicos, isso levará até o meio deste ano.

Ontem, o nível do Cantareira chegou aos 16,8% de sua capacidade.

Alguns técnicos, em conversas reservadas, defendem a tese de que o governo deveria começar a fazer um racionamento brando.

A ideia de sugar o fundo das represas, que abastecem quase 15 milhões de pessoas na Grande São Paulo e na região de Campinas, está cada vez mais cristalizada dentro do governo paulista.

O próprio governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse que deu ordem para que tudo fique pronto até o inverno, caso seja necessário realmente secar as represas.

Mesmo que o martelo seja batido, não é uma solução mágica para resolver a crise atual de falta de água no curto prazo, dizem os técnicos.

Apesar de considerar o uso do volume morto uma estratégia importante, o pesquisador Rubem La Laina Porto, da Escola Politécnica da USP, diz que o "governo não pode relaxar as medidas de contenção de consumo".

O sistema Cantareira está sendo operado no alto risco. Isso significa que as chuvas e a economia da população são mais importantes no curto prazo que o volume morto, que nunca foi usado antes.

Outra questão técnica a ser resolvida, diz Malu Ribeiro, da Rede das Águas da ONG SOS Mata Atlântica, é quanto tempo vai demorar para que o sistema seja recuperado, se toda a água das represas for usada neste ano.

"As represas do sistema Cantareira têm muitas áreas ao redor delas que estão desmatadas. Isso favorece a erosão, por exemplo, e prejudica muito o armazenamento de mais água", diz.

Outro problema grave é o lançamento desenfreado de esgotos nos rios e represas. "A represa Billings, se não fosse poluída, seria uma grande alternativa ao Cantareira. O que sai mais caro? Preservar a mata ou despoluir as águas?"

Folha de S. Paulo