Notícias

PM terá acesso a imagens do Metrô em casos de distúrbio
28/02/2014

 

Companhia vai instalar posto com funcionários e monitores dentro do centro de operações da polícia

 

Medida foi definida pelo governo do Estado após o tumulto que fechou parte da linha 3-vermelha no dia 4

ANDRÉ MONTEIRO
DE SÃO PAULO

O Metrô de São Paulo fechou um acordo com a Polícia Militar para instalar um posto da companhia dentro do Copom (Centro de Operações da PM). O posto irá disponibilizar para a PM imagens ao vivo das estações e dar acesso ao sistema de comunicação da companhia.

É a primeira medida de segurança definida pelo governo do Estado após o tumulto que fechou parte da linha 3-vermelha por cinco horas no último dia 4.

O posto terá monitores com acesso às câmeras das estações, além de funcionários do Metrô em contato direto com o CCO (Centro de Controle Operacional) da empresa.

"Uma coisa é pegar o telefone, ligar 190 e explicar o que está acontecendo. Outra coisa é ter nosso empregado dentro do Copom, com as imagens do nosso sistema, dentro da nossa rede de comunicação, em contato direto com o responsável do Copom", afirmou o diretor de operações do Metrô, Mario Fioratti Filho.

O diretor acredita que a medida vai permitir à PM entender melhor o que está acontecendo e onde, direcionando assim os recursos adequados para cada situação.

"Pode ser apenas uma viatura com dois soldados ou pode ser um reforço um pouco maior. Isso vai servir para toda e qualquer ocorrência, não só para uma sequência de eventos, mas para os eventos do dia a dia das manifestações, em função de ocorrência policial dentro do metrô",afirmou.

A CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) também irá fazer parte do sistema. O funcionamento do posto, que deve começar em breve, ainda depende de detalhes, como equipamentos e o número de funcionários.

O diretor garante que a decisão de acionar ou não a PM continuará sendo do Metrô.

OUTRAS MEDIDAS

Após os recentes acontecimentos, se decidiu aumentar o número de câmeras de segurança nas estações.

A ideia é elevar a quantidade de câmeras voltadas ao patrimônio --hoje, a maioria delas foca plataformas e escadas rolantes.

Na semana passada, foi criado um grupo de trabalho conjunto entre as secretarias da Segurança Pública e dos Transportes Metropolitanos.

Portaria no "Diário Oficial" propõe definir "medidas relacionadas à segurança pública necessárias ao enfrentamento de situações de emergência em estações e trens do Metrô, CPTM e nos terminais e ônibus da EMTU".

O grupo deverá elaborar um protocolo sobre a ação das polícias Civil, Militar e Técnico-Científica nessas situações e produzir um relatório final até o dia 28.

Folha de S. Paulo