Notícias

Contratados por habilidades
13/05/2014

 

No primeiro trimestre de 2014, o Programa de Apoio à Pessoa com Deficiência (Padef), da Secretaria Estadual do Emprego e Relações do Trabalho (Sert), conseguiu intermediar a contratação profissional de 297 pessoas com deficiência. O total, em comparação com o mesmo período de 2013, foi 173% superior, e o número de vagas oferecidas no mercado de trabalho também cresceu, passando de 10 mil, volume 300% maior.

A área de comércio tem sido a principal empregadora, seguida pelos setores de serviços, construção civil, transporte e armazenagem. A faixa salarial segue à dos demais trabalhadores. Na avaliação de Marinalva Cruz, supervisora do Padef, uma das explicações para o crescimento é o esforço permanente do programa para a conscientização dos empregadores em todo o Estado, por meio de palestras.

“A mídia também tem dado mais espaço ao tema. O desafio é mostrar para a sociedade que este trabalhador deve ser contratado por suas habilidades e não por suas deficiências. Ainda há muito preconceito, fruto direto da falta de informação”, afirma Marinalva. Para ela, outro ponto importante é conhecer bem o perfil profissional de cada candidato com deficiência para que esteja de acordo com a necessidade do empregador, regra, aliás, comum em qualquer processo seletivo.

Carteira assinada – Albertina Sarti tem 51 anos e nasceu com deficiência física nos membros inferiores. Trabalhou como telefonista e há dez anos é assistente de projetos do Padef. Conta ter sofrido preconceito e sentido dificuldade para ingressar no mercado profissional. “Sempre aceitei muito bem minha deficiência, sou feliz. Mas, na época, a Lei de Cotas para pessoa com deficiência nas empresas ainda não havia sido promulgada. Hoje é mais fácil”, diz orgulhosa.

Cássia Pessoa, 32 anos, tem deficiência visual congênita e conseguiu emprego por meio do Padef. Ela se diz satisfeita pelo atendimento recebido. “Fiz minha inscrição e, assim que surgiu uma vaga que tinha a ver com o meu perfil, fui contratada, sem complicação”, afirma. Atualmente, Cássia é auxiliar administrativa em uma empresa de transporte.

Jefferson Costadeli, 34 anos, também assinou carteira por intermédio do programa. “Recebi encaminhamentos e participei de processos seletivos. Passei, e hoje trabalho, registrado, como auxiliar de farmácia em um hospital.”

Para Maria Cristiane Akutsu, 34 anos, o Padef ajudou a resgatar sua autoestima. Com paralisia do lado direito do corpo, ela voltou ao mercado profissional após dois anos desempregada. “Recebi no programa estadual uma carta de encaminhamento para trabalhar. Passei na seleção e agora sou auxiliar administrativa em um hospital.”

Mais vagas – Os Postos de Atendimento ao Trabalhador (PATs) oferecem mais 340 oportunidades de emprego. As vagas são para diversas áreas. Elas estão distribuídas na Grande São Paulo (305) e nas regiões de Sorocaba (12), Ribeirão Preto (10), Vale do Paraíba (4), Franca (2), Campinas (1), além da oferta de seis vagas para trabalhar em Mato Grosso.

Para participar, pessoas com deficiência e empregadores interessados devem fazer cadastro gratuito no site do Emprega São Paulo, da Sert (ver serviço), ou, então, dirigir-se pessoalmente a um PAT. O candidato residente na capital tem ainda a opção de preencher sua ficha na sede do Padef (Rua Boa Vista, 170 – Centro, próximo à Estação São Bento do Metrô), de segunda a sexta-feira, das 8 às 16 horas.

DOE, Executivo I, 13/05/2014, p. II