Notícias

Crianças receberão vacina contra hepatite A pelo SUS a partir deste mês
29/07/2014

 

JOHANNA NUBLAT
DE BRASÍLIA

A rede pública de saúde começou a oferecer, a partir deste mês, a vacina contra a hepatite A para crianças com idade a partir de um ano e menores de dois anos.

A imunização, em dose única, deve alcançar cerca de 3 milhões de crianças brasileiras todos os anos.

Até setembro, todos os postos de saúde do país deverão ter a vacina contra a hepatite A disponível de forma contínua, segundo o Ministério da Saúde. Hoje, os centros especializados de vacina do SUS já oferecem essa vacina, mas apenas para casos específicos, como viajantes a países com concentração da doença.

Doze Estados já começaram a vacinar as crianças neste mês de julho –Acre, Rondônia, Alagoas, Ceará, Maranhão, Piauí, Pernambuco, Distrito Federal, Goiás, Espírito Santo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul (em Porto Alegre, a vacinação começará em agosto).

Passarão a ofertar a imunização em agosto outros 12 –Amazonas, Amapá, Tocantins, Bahia, Paraíba, Rio Grande do Norte, Sergipe, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Pará.

Os últimos três –Roraima, São Paulo e Paraná– ofertarão a vacina a partir de setembro.

ATRASO

A inclusão da vacina da hepatite A para crianças foi recomendada há dois anos pela Conitec (comissão do ministério que avalia a inclusão de novas tecnologias na rede pública). À época, a pasta disse ter a expectativa de oferecer a vacina ainda em 2013 em duas doses: crianças de 12 meses e de 18 meses.

Em outubro de 2012, o então ministro Alexandre Padilha (Saúde) anunciou a produção nacional da vacina pelo Butantan, via uma parceria produtiva com o laboratório americano MSD.

Segundo Jarbas Barbosa, secretário de vigilância em saúde do ministério, os dois anos entre a recomendação e a oferta de fato se justificaram pela preparação da rede para a inclusão de mais uma vacina e das negociações para a produção nacional da vacina.

Nesse período, continua o secretário, estudos feitos em países que adotaram a vacina indicaram que pessoas vacinadas com apenas uma dose da vacina apresentaram a mesma imunidade que pessoas imunizadas com duas doses. Assim, a pasta optou por usar apenas uma dose, para facilitar a adesão ao calendário vacinal.

"A capcidade de proteger é a mesma. Qual é a diferença de fazer duas doses ou uma dose? A gente tem que ter muito cuidado [na inclusão de novas vacinas] porque desafia as outras vacinas [já incluídas]. O calendário com uma vacina só é mais fácil de ser cumprido que um com 14", argumenta Barbosa.

Com essa vacina, o Brasil passa a ofertar todas as vacinas disponíveis e recomendadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde), mesmo em caráter especial (como HPV), afirmou o secretário.

HEPATITE A

A vacina é feita com o vírus inativado e é considerada bastante segura pelo Ministério da Saúde.

Entre 1999 e 2013, o país registrou mais de 151 mil casos de hepatite A –dado considerado subestimado pelo governo. E, entre 1999 e 2012, 761 mortes pelo vírus da hepatite A, que infecta por água e alimentos contaminados.

Jarbas Barbosa avalia que o Brasil está num período de transição da doença no país, com redução de casos ocorrida após a melhoria das condições sanitárias brasileiras.

"Quando as condições sanitárias melhoram, as pessoas passam a ter contato com o vírus mais tardiamente. São menos casos, mas cresce o risco de serem casos graves."

COQUELUCHE PARA GRÁVIDAS

Ainda este ano, o ministério deverá incluir, no calendário vacinal, a oferta da vacina contra a coqueluche para gestantes. A expectativa é que a imunização esteja disponível nos postos de saúde em outubro.

O objetivo é melhorar a imunidade do recém-nascido, como proteção ao aumento de casos de coqueluche identificada nos últimos anos.

Folha de S. Paulo