Notícias

SP aumentará retirada do Guarapiranga
06/11/2014

 

Em ritmo acelerado de esvaziamento, sistema da zona sul terá captação ainda maior para socorrer Cantareira

 

Estado também prevê uso de esgoto tratado para encher represas e depender menos da quantidade de chuva

EDUARDO GERAQUE
DE SÃO PAULO

Em ritmo acelerado de esvaziamento, a reserva de água do sistema Guarapiranga, que abastece mais de 4 milhões de pessoas em São Paulo, será explorada ainda mais nos próximos meses.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse nesta quarta (5) que vai aumentar a captação do Guarapiranga para ajudar a população que recebe água do Cantareira, que está com níveis críticos.

Com a manobra (com potencial de atingir 300 mil habitantes), ao contrário do que ocorreu em anos anteriores, a represa pode chegar no fim da estação chuvosa com baixa reserva para enfrentar a próxima temporada de seca.

O Guarapiranga é usado desde fevereiro no socorro ao Cantareira, por meio do remanejamento de água entre os reservatórios. Ele estava com retirada de 14 mil litros por segundo. Agora, haverá aumento de 7% na captação.

Em outubro, com pouca chuva, a represa perdeu 0,4 ponto percentual por dia --nesse ritmo, se a estiagem seguisse no verão, ela poderia ser esvaziada até fevereiro.

Nesta quarta, havia 37,5% de reserva de água no Guarapiranga --contra 37,9% no dia anterior. No Cantareira, 11,8% --queda de 0,1 ponto, já considerando as duas partes do volume morto.

Apesar das chuvas fortes dos últimos dias, dos seis grandes reservatórios da Grande São Paulo, só um (Alto Cotia) registrou aumento nos níveis de água na medição de ontem de manhã.

ESGOTO TRATADO

Para tentar depender um pouco menos da chuva nos próximos anos, Alckmin anunciou que vai encher as represas com água usada pela população a partir de 2016.

Na prática, trata-se do uso de esgoto tratado. A primeira represa contemplada será a do Guarapiranga. Na semana passada, Campinas anunciou que também aproveitará água usada pela população nas estações de tratamento.

O esgoto tratado não é usado de forma direta para consumo humano --porque essa água ainda passará por um novo tipo de tratamento.

Alckmin prometeu a construção de um estação de tratamento de água de reúso.

A obra, que deve ser feita na marginal Pinheiros, perto de Interlagos, deve ficar pronta em dezembro de 2015. Neste projeto, as tubulações levam esgoto para estação. Após os dejetos serem tratados, ele será lançado em um córrego, que vai desaguar na represa.

Toda a água represada (neste caso, tanto a da chuva quanto a de reúso) será tratada nas estações de tratamento da Sabesp. Depois, encaminhada para abastecimento.

Outra estação de água de reúso deverá ser feita perto do rio Cotia, na Grande SP.

O Estado também anunciou 29 novos reservatórios para ampliar em 10% a capacidade de armazenamento nas estações de tratamento.

Folha de S. Paulo