Notícias

Prefeitura libera skate, patinete e cadeira de rodas em ciclovias
17/12/2014

 

Medida muda regras de uso de bandeira de Haddad, que implantou 141 km de pistas para bicicletas

 

Até veículos elétricos podem ser liberados; especialista defende limite de velocidade para evitar acidentes

GIOVANNA BALOGH
NATÁLIA PORTINARI
DE SÃO PAULO

A Prefeitura de São Paulo decidiu ampliar a utilização das ciclovias da cidade: triciclos, quadriciclos, skates, patins, patinetes e até cadeiras de rodas foram liberados, a partir desta terça-feira (16), nas faixas que até então eram exclusivas das bicicletas.

A medida que muda as regras de utilização de uma das bandeiras da gestão Fernando Haddad (PT) --que implantou 141 km de pistas para bikes-- foi publicada no "Diário Oficial da Cidade".

Apesar de pesquisa Datafolha apontar aprovação de 80% dos paulistanos às ciclovias, há críticas de que elas têm baixo uso e ficam vazias a maior parte do tempo.

A mudança permite, inclusive, a circulação de veículos elétricos, como patinetes e bikes, desde que em velocidade compatível com a via.

O decreto de Haddad afirma, no entanto, que a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) pode restringir veículos e equipamentos em algumas vias devidamente sinalizadas. Ele não deixa claro qual é a punição para quem não seguir as normas.

O presidente da ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos), Ailton Brasiliense Pires, avalia que outros meios podem conviver com as bicicletas. Mas, devido ao risco de acidentes, diz que a condição é haver um limite de velocidade baixo para as vias --perto de 10 km/h, algo que não existe hoje.

Para Mauricio Broinizi, coordenador de mobilidade urbana da ONG Nossa São Paulo, a medida não deve congestionar as ciclovias porque os demais meios autorizados são pouco utilizados.

"Está havendo uma diversificação dos meios de transporte não motorizados nas grandes cidades, então a tendência é liberar para skate e patinete, como aconteceu em Nova York", disse Broinizi.

A medida foi bem recebida por Billy Faga, presidente do Movimento SuperAção (que atua na defesa dos direitos de pessoas com deficiência).

"Qualquer movimento que fomente a acessibilidade e a participação das pessoas com deficiência no espaço social traz ganhos", afirmou.

Hoje cadeirantes enfrentam obstáculos nas calçadas, como postes e buracos.

A secretária municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida, Marianne Pinotti, diz que serão feitas melhorias nas calçadas para adaptar as ciclovias aos cadeirantes. "É importante lembrar que a pessoa com deficiência não irá perder a calçada."

Folha de S. Paulo