Notícias

Bairros tentam barrar casa popular e comércio em SP
12/01/2015

 

Mobilização ocorre no momento em que é discutida a Lei de Zoneamento

 

Moradores do Tatuapé temem desvalorização; nos Jardins, objetivo é manter característica de área residencial

ARTUR RODRIGUES
DE SÃO PAULO

Moradores de bairros nobres e de classe média de São Paulo estão se mobilizando contra a criação de zonas para habitação popular e grandes áreas de comércio.

A movimentação ocorre no momento em que a gestão Fernando Haddad (PT) promove uma discussão sobre a revisão da Lei de Zoneamento da cidade.

A norma especificará, quarteirão por quarteirão, as regras previstas no Plano Diretor, que traça diretrizes para toda a cidade.

Assim que o debate for finalizado, a prefeitura irá enviar um projeto para a Câmara Municipal.

No Tatuapé, bairro de classe média da zona leste, moradores se organizam para reverter a demarcação de parte do bairro como área destinada a moradia popular --chamada de Zeis (Zona Especial de Interesse Social).

Com um déficit de mais de 250 mil moradias na cidade, a prefeitura tem sido pressionada por movimentos sem-teto. O maior entrave para a construção das unidades é a obtenção de terrenos.

"Nós não nos enquadramos nos artigos que definem o que seria uma Zeis, áreas em que há assentamentos precários, comunidades que ficam em manancial", afirma a arquiteta Sueli Fregni, 56.

Ela diz que a área do bairro demarcada para habitação social, com predomínio de sobrados residenciais e comerciais, não tem terrenos vagos para construção de moradia.

"A gente está se sentindo expulso daqui, pois a prefeitura tem o poder de desapropriar para fazer uma creche, por exemplo", afirma.

Moradora da região há 54 dos seus 56 anos, a aposentada Maria de Lourdes Cominato teme a desvalorização dos imóveis.

"No final da rua, tem uma favela. Lá, que é uma área que podem derrubar e construir casas decentes, não estava marcado [como zona para moradia popular]", disse ela.

COMÉRCIO

Um dos bairros mais valorizados de São Paulo, a Vila Nova Conceição (zona sul), conseguiu banir uma área para a habitação popular antes da aprovação do Plano Diretor, em junho do ano passado. Agora, o objetivo é evitar brechas para que sejam construídos comércios.

"A prioridade é que a zona estritamente residencial não seja relaxada", afirma Fábio Mortari, 48, presidente da associação do bairro. "[A nova legislação] traria o comércio destinado a qualquer público e não somente ao público do bairro", afirma Mortari.

Nos Jardins (zona oeste), a preocupação é parecida. Moradores temem o trânsito e o adensamento com a mudança dos bairros construídos pela companhia City no início do século 20, com casas grandes e ruas arborizadas.

"Parece que a prefeitura quer acabar com os bairros residenciais", afirma o diretor da AME Jardins (associação de moradores dos Jardins), João Maradei.

A prefeitura diz que a discussão sobre áreas de comércio ainda está em aberto, mas a criação de áreas para moradia popular, não.

Folha de S. Paulo