Notícias

Sabesp agora admite que pode adotar rodízio de água em SP
15/01/2015

 

Medida descartada nos últimos meses foi admitida por novo chefe da estatal da gestão Alckmin

 

Governador disse que 'racionamento' já existe --em referência à redução de captação no sistema Cantareira

DE SÃO PAULO

A Sabesp admitiu nesta quarta (14) a possibilidade de implantar um rodízio de água em São Paulo --com cortes alternados entre regiões, a exemplo do adotado no começo da década de 2000.

A medida voltou a ser cogitada pela estatal ligada à gestão Geraldo Alckmin (PSDB) após ser descartada como solução para a crise hídrica durante boa parte de 2014.

"Sim, pode chegar [a ter um rodízio]. Torcemos para que não, mas pode chegar", afirmou Jerson Kelman, novo presidente da Sabesp, que também anunciou outras ações que devem agravar a falta de água nas casas.

Ao se referir ao rodízio, Kelman afirmou que "não há necessidade de causar previamente um sofrimento à população" e que ele será implantado apenas caso seja "estritamente necessário".

No começo de 2014, Alckmin chegou a admitir a possibilidade de um rodízio. Depois, passou a descartá-lo. Disse que seria um erro técnico adotá-lo, devido a eventuais danos na rede, além de ser um custo social grande.

O rodízio adotado em parte da Grande SP há uma década e meia era no esquema dois dias com água e um sem.

A Sabesp também disse que reduzirá, para mais lugares e mais horários, a pressão da água enviada às casas --que deixa as torneiras secas em alguns momentos do dia.

A captação no sistema Cantareira --que recebeu só chuvas isoladas nesta quarta-- será reduzida de 16 para 13 metros cúbicos por segundo.

O Cantareira, com isso, perde importância e deve ser ultrapassado por Alto Tietê e Guarapiranga pelo volume de água fornecida para abastecer a Grande São Paulo.

Kelman disse que, sem chuvas, ele poderia secar até março --ontem estava em 6,3%. Mas, segundo ele, ainda poderá ser usada a terceira cota do "volume morto" do sistema --água que fica abaixo das tubulações e que precisa passar por bombeamento.

RACIONAMENTO

A nova avaliação da Sabesp foi dada no mesmo dia em que Alckmin admitiu que São Paulo já enfrenta um "racionamento" --em referência à exigência de redução de captação no sistema Cantareira, que está em vigor desde março do ano passado.

No dia anterior, a Justiça havia suspendido a cobrança da sobretaxa de até 100% na conta de água para moradores que elevassem seu consumo.

"O racionamento já existe", declarou Alckmin, atribuindo a decisão à ANA (Agência Nacional de Águas), que, em março do ano passado, determinou a redução da captação do sistema Cantareira --ação que vem sendo adotada e já foi até mesmo ampliada desde então.

A partir daí, a Sabesp intensificou a redução de pressão da água --que provoca cortes em regiões mais altas em alguns momentos do dia.

"Se tirávamos 33 metros cúbicos por segundo [de água] e hoje estamos tirando 17, é óbvio que temos uma restrição hídrica", justificou.

Diante das queixas sobre a interrupção no fornecimento de água, ele foi cobrado no período eleitoral para que reconhecesse a situação.

Em 24 de outubro, às vésperas do segundo turno em que Aécio Neves (PSDB) tentava se eleger presidente, Alckmin declarou: "O abastecimento de água está garantido na região metropolitana de São Paulo. Não tem racionamento e não tem desabastecimento".

Folha de S. Paulo