Notícias

Esperança contra crise da água, Billings é caixa-preta de poluição
01/02/2015

 

Gestão Alckmin (PSDB) planeja aumentar o volume da represa destinado a abastecimento

 

Análise aponta a presença de bactéria que causa perfuração do intestino; Sabesp diz que água é tratável

EMILIO SANT'ANNA
DE SÃO PAULO

A "caixa-d'água de São Paulo" --como o governador Geraldo Alckmin (PSDB) se referiu à represa Billings na última sexta-feira (30)-- é uma das últimas esperanças para aliviar a grave crise hídrica e, ao mesmo tempo, uma gigantesca caixa-preta.

Poluído, o reservatório com capacidade para 1,2 trilhão de litros de água (mas hoje com 60,8% disso disponível) é preterido há décadas para o abastecimento humano.

E, apesar de a Sabesp afirmar que tem capacidade para tratar essa água, a sujeira e a falta de informações sobre a real extensão dos problemas da Billings causam desconfiança entre os paulistanos.

Uma incógnita, aliás, no momento em que outra "caixa-d'água", o sistema Cantareira, está perto de um colapso completo que ameaça colocar a Grande SP em um duríssimo rodízio de água.

Atualmente, uma parte da água da Billings é bombeada para a represa de Guarapiranga, e outra serve a região do ABC. O que os especialistas indicam não é nada animador.

Análise realizada a pedido da Folha pela bióloga Marta Marcondes, da Universidade Municipal de São Caetano do Sul, apontou a concentração de coliformes fecais cem vezes maior do que o estabelecido pelo Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente).

Também foram encontradas bactérias que causam gastroenterite, infecção urinária, diarreias com sangue e até a perfuração do intestino.

Compostos como nitritos e fosfatos, indicadores de material orgânico em decomposição, também foram encontrados acima dos valores estabelecidos pelo Conama.

Em 2008 e 2010, estudos da USP apontaram problema ainda maior: a presença de metais pesados, potencialmente cancerígenos, como chumbo, cobre e níquel nos leitos da Billings e da Guarapiranga.

Para quem pesquisa o local, novos problemas podem surgir dessa caixa-preta com o aumento da captação.

"Quanto mais profunda for a água captada, maior a probabilidade de contaminação por esses poluentes", diz Werner Hanisch, professor de engenharia química da Unifesp.

Os caminhos que levam os poluentes ao reservatório passam pelo rio Pinheiros e pela ocupação irregular ao longo das margens da Billings.

A degradação nas proximidades da usina Pedreira, que faz a reversão do rio em direção à represa, e nos braços mais próximos chamou a atenção de Hanisch, ao sobrevoar a represa a convite da Folha. "Não era assim. Vem piorando muito nos últimos tempos. Esse cheiro constante e forte de fezes, por exemplo, começou há pouco tempo."

Folha de S. Paulo