Notícias

Governo acena com correção de 4,5% na tabela do IR
20/02/2015

 

Objetivo é evitar derrota no Congresso, que ameaça derrubar veto de Dilma a reajuste aprovado, de 6,5%

 

Nas contas do governo, correção de 4,5% tira R$ 5,3 bilhões da arrecadação, contra R$ 7 bilhões com 6,5%

NATUZA NERY
DE BRASÍLIA

Para evitar mais uma derrota no Congresso, a presidente Dilma Rousseff fará na próxima semana um aceno em que se prontificará a corrigir em pelo menos 4,5% a tabela do Imposto de Renda da pessoa física.

O governo tentará sensibilizar sua base de apoio argumentando que um reajuste maior, neste momento, fragilizaria o ajuste fiscal, esforço do governo para reduzir o gasto público.

A correção da tabela em 4,5% foi promessa de campanha, mas a deterioração nas contas fez o Executivo reconsiderar, nos bastidores, a conveniência de aplicá-la.

Segundo a Folha apurou, há duas correntes mais fortes na Esplanada. Uma que defende a correção em exatos 4,5% e outra que sugere um índice um pouco maior, mas não superior a 5%. A defesa por um reajuste zero, feita por integrantes da equipe econômica, não vingou.

A concessão seria necessária para evitar que o Legislativo derrube um veto presidencial, de janeiro passado, contra um reajuste de 6,5%.

Nas avaliações internas, ou Dilma faz um gesto ao Congresso ou muito possivelmente terá seu veto derrubado.

Um desfecho assim fragilizaria a imagem do Planalto e da própria equipe econômica em relação à sua capacidade de evitar a aprovação de verdadeiras "bombas fiscais" no Legislativo.

Na fila de votações no Congresso, há nada menos que o pacote fiscal prometido pelo Ministério da Fazenda para cumprir a meta de 1,2% do superavit primário (economia para arcar com o pagamento dos juros da dívida).

Sem essas medidas, o país corre o risco de mergulhar em uma crise de confiança capaz de afugentar investidores e, com isso, agravar a situação da economia.

ATÉ R$ 7 BILHÕES

Nas contas do governo, se a correção da tabela ficar em 4,5%, o impacto será de R$ 5,3 bilhões. Se subir para 6,5%, custará aproximadamente R$ 7 bilhões.

Nas últimas semanas, alguns ministros chegaram a defender que a presidente concordasse com a correção de 6,5% para tentar apoio das centrais sindicais ao pacote fiscal. A Fazenda, contudo, apresentou forte resistência.

Neste momento, o Tesouro tenta economizar no que pode. Até mesmo programas sociais prioritários têm passado por pente-fino, além de atrasos de pagamentos, caso do Pronatec, noticiado pela Folha nesta quinta-feira (19).

A correção de 4,5% foi prometida por Dilma em pronunciamento sobre o Dia do Trabalho, às vésperas da campanha eleitoral. À época, a presidente editou uma MP sacramentando o reajuste, mas o recesso parlamentar fez a medida caducar em agosto.

Folha de S. Paulo