Notícias

Haddad vai 'contratar' cães para combater furtos em cemitérios
24/02/2015

 

LEANDRO MACHADO
DE SÃO PAULO

Cães da raça rottweiler viraram a principal solução para combater os constantes furtos que ocorrem em cemitérios da capital paulista.

Cinco deles e mais um fila viraram "cães de guarda-túmulo" do tradicional cemitério da Consolação (região central) em 5 de janeiro.

Desde então, nenhum furto foi registrado. No ano passado todo, foram 410 casos.

A eficiência dos cães empolgou tanto que a gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) vai abrir uma licitação para levar os animais para outros três cemitérios: São Paulo (oeste), Araçá (centro) e Quarta Parada (leste).

Esses locais são os principais alvos dos bandidos especializados em furtar túmulos, segundo análise feita pela prefeitura.

Os cães "bravos" são responsáveis por policiar uma área de 76 mil metros quadrados no cemitério da Consolação. São acompanhados por um funcionário de uma empresa de segurança.

Antes da vigilância canina, quase tudo era alvo de furto no cemitério: vasos, estátuas de bronze, placas, jardineiras e até bustos.

Uma família, dona de um jazigo, chegou a enterrar uma imagem de Jesus Cristo para evitar que ela fosse levada.

"Tentamos colocar câmeras de vigilância e não funcionou. Eles [cães] chegaram e não temos mais furtos", afirma Simão Pedro, secretário municipal de Serviços.

CANIL

Os cães moram no cemitério da Consolação, em uma casinha provisória. Quando o programa for ampliado, a prefeitura vai construir um canil no Araçá, onde os animais vão repousar de dia --eles só trabalham à noite.

Também contarão com um veterinário exclusivo.

Antes da guarda canina, o cemitério da Consolação era o campeão de furtos. Desestimulados pelos cães, os ladrões migraram para o Araçá, a dois quilômetros dali.

Em todo o ano de 2014, o Araçá teve 64 furtos. Só neste ano já foram 90.

Para conseguir novos animais, a gestão Haddad terá que contratar empresas de segurança que ofereçam o serviço.

Folha de S. Paulo