Notícias

Gestão Haddad quer que catador troque carroça por bicicleta
25/02/2015

 

Prefeitura diz que fará parceria com instituição que fabrica bikes com suporte para armazenar recicláveis

 

Secretário Jilmar Tatto (Transportes) diz que as faixas para bicicletas também estão liberadas para os carroceiros

ARTUR RODRIGUES
GIBA BERGAMIM JR.
DE SÃO PAULO

A prefeitura quer transformar carroças de catadores de sucata em bicicletas. A gestão Fernando Haddad (PT) prepara um projeto em parceria com uma instituição que fabrica as bikes com suporte para recicláveis.

A informação foi confirmada pelo secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, em entrevista à "TV Folha" nesta terça-feira (24). A ideia é importar um projeto de Recife, chamado Relix. A iniciativa deve ter apoio do Sesi.

Conforme a Folha mostrou em 27 de janeiro, os catadores estão ocupando as ciclovias na região central.

Porém, liberadas por decreto para patins, patinetes, cadeiras de rodas, quadriciclos e até veículos elétricos, as ciclovias não contemplam carroças porque não há regulamentação federal.

Tatto, porém, diz que elas estão liberadas para os carroceiros e que nenhum agente de trânsito irá tirá-los.

Segundo ele, o equipamento que pode substituir as carroças tem três rodas, com uma espécie de gaiola para os recicláveis.

"O ser humano não foi feito para puxar carroça. Isso é coisa para animal", disse. O secretário defende um modelo com espaço para cães, fiéis companheiros de catadores.

LICITAÇÃO DE ÔNIBUS

Na entrevista, Tatto disse que a concorrência que irá definir as empresas que irão operar os ônibus da cidade deve terminar em julho e prevê uma alteração na maneira de pagar os empresários.

Hoje, a prefeitura paga por passageiro transportado. Após a licitação, será adotado um modelo misto --pagando metade pelo passageiro e metade por estimativa do custo do serviço, cujo cálculo está sendo elaborado.

O objetivo é viabilizar linhas em regiões e horários com menor demanda, hoje mal servidas pelo transporte.

Há décadas, os mesmos empresários comandam o transporte. A prefeitura espera atrair empresas estrangeiras para a licitação.

Tatto prometeu também entregar os corredores de ônibus da avenida Luís Carlos Berrini e Ponte Baixa (na zona sul) neste ano.

Porém, o próprio prefeito já admitiu que deverá "deslizar" para a gestão seguinte iniciativas anunciadas para conclusão até o fim do mandato. Entre elas, 150 km de corredores de ônibus.

Folha de S. Paulo