Notícias

Alckmin planeja parceria privada para reduzir desperdício de água
06/03/2015

 

Objetivo é lançar PPP pela qual empresas ganhariam conforme a diminuição de vazamentos e falhas

 

Na Grande São Paulo, 30% da água tratada pela Sabesp é perdida; na Alemanha, índice é de 11% e, nos EUA, 16%

FABRÍCIO LOBEL
GUSTAVO URIBE
DE SÃO PAULO

O governo Geraldo Alckmin (PSDB) planeja uma parceria com a iniciativa privada para reduzir a quantidade de água tratada que é perdida na Grande São Paulo principalmente devido às falhas nas tubulações e conexões.

O modelo discutido pelo Estado é uma PPP (Parceria Público-Privada), pela qual empresas injetariam recursos inicialmente e só receberiam do poder público depois, proporcionalmente ao cumprimento de metas de desperdício.

O volume de água perdida depois do tratamento em São Paulo e no país é considerado alto --e um dos principais agravantes da crise hídrica.

Na região metropolitana, só os danos em tubulações e em conexões fazem com que 19% da água tratada pela Sabesp (estatal paulista de saneamento) seja desperdiçada.

Se consideradas ainda as fraudes, furtos, "gatos" e falhas em hidrômetros, esse índice de água perdida atinge 30%. No Brasil, é de 37%. Nos EUA, 16%; na Alemanha, 11%.

Na avaliação do governo, há empresas com tecnologia de redução de desperdício e alto poder de investimento que poderiam assumir a gestão das perdas de água em locais específicos da Grande SP, com supervisão da Sabesp.

Elas não seriam remuneradas especificamente pelas obras realizadas (embora elas sejam previstas), mas pelo resultado final --de acordo com a redução do desperdício.

Entre as soluções apontadas para diminuir as perdas estão a troca de tubulações e de hidrômetros, combate às fraudes e furtos e melhor detecção de vazamentos.

'FRUSTRANTE'

A proposta de recorrer ao setor privado ganhou força diante da maior crise de abastecimento de água da história da Grande São Paulo.

O atual ritmo de redução do desperdício, segundo a Folha apurou, é avaliado como "frustrante" pelo governo paulista, que tem estudado formas de agilizá-lo.

No Estado, havia um desperdício de 26% da água tratada em 2009. Na época, a Sabesp esperava atingir 18% em 2014 --mas ficou em 24% (menos do que na Grande SP).

Desde então, ano após ano, a estatal vem reduzindo sua projeção de desperdício.

Segundo técnicos, atacar as perdas é a melhor aposta em momentos de crise.

Para Marcelo Libânio, da UFMG (federal de Minas Gerais), reduzir vazamentos deve ser um foco de qualquer empresa de gestão de água.

"A água que se perde é uma água que já foi tratada. Não se pode perdê-la", diz.

A pressão em relação aos resultados do programa de redução de perdas do Estado cresceu na semana passada.

A bancada do PT na Assembleia Legislativa protocolou requerimento de instalação de CPI para apurar os gastos com a iniciativa estadual sem que metas fossem alcançadas --já foram colhidas 24 de 32 assinaturas necessárias.

Nesta quinta-feira (5), vereadores petistas fizeram uma representação pedindo que o Ministério Público investigue se a Sabesp foi omissa na crise da água.

Folha de S. Paulo