Notícias

EMTU expediu 400 mil carteiras especiais
07/05/2015

 

Desde 2003, a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) emitiu 400 mil Carteiras de Identificação do Passageiro Especial (Cipes), que concede gratuidade no transporte metropolitano. Além do atendimento em posto presencial, a empresa dispõe de uma unidade móvel – o Centro de Atendimento ao Passageiro Especial (Capes) – que percorre as cidades para informar os munícipes sobre o benefício. A partir de julho, o Capes móvel passará a expedir a Cipes, informa a coordenadora do Centro de Atendimento ao Passageiro Especial da EMTU-SP, Sidneia Aparecida dos Santos.

A Cipes é concedida a pessoas com deficiência (física, visual, intelectual, auditiva ou múltipla) e ao cidadão que tenha doença orgânica – tumor maligno e problema renal crônico. Enquanto tiver sua capacidade de trabalho comprometida, o usuário de transporte terá direito ao benefício, assegura a coordenadora. “Com a inclusão da plataforma Web na unidade móvel, passaremos a conceder a credencial na hora”, acrescenta.

O que muda no procedimento para obter a Cipes é a emissão do laudo eletrônico pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS) cadastradas pela EMTU. “Por menor que seja a cidade, há uma unidade de saúde cadastrada”, garante a coordenadora. Por enquanto, o documento é concedido somente nas unidades físicas e fica pronto em 10 minutos. Os endereços dos postos de atendimento podem ser consultados no site da EMTU.

Gratuidade – O Capes móvel é um veículo equipado com tenda que “vai até as pessoas para divulgar a gratuidade do transporte, explicar como funciona o benefício e os procedimentos necessários para obtê-lo”, esclarece a coordenadora. As últimas cidades a receberem o atendimento, feito por dois ou três funcionários da EMTU-SP, foram Taubaté e Lorena. A programação de visitas do posto móvel às próximas cidades deve ser acompanhada no site da empresa.

Desde junho de 2014, o Capes Móvel percorreu 41 municípios da Região Metropolitana do Estado (São Paulo, Baixada Santista, Campinas e Vale do Paraíba/Litoral Norte). “Damos preferência às cidades menores e mais distantes, onde é mais difícil a informação chegar”, informa a coordenadora. A EMTU prevê colocar em breve outro veículo em funcionamento para ampliar o atendimento.

O passageiro interessado no benefício precisa apresentar laudo do seu médico especialista com o número do Código Internacional da Doença (CID) na Unidade Básica de Saúde (UBS) do município onde reside que seja cadastrada na EMTU-SP. O laudo será avaliado pelo médico da unidade e, se atender às especificações da legislação, será encaminhado para a emissão da carteira pela empresa.

DOE, Executivo I, 07/05/2015, p. I