Notícias

Teles podem voltar a bloquear internet
27/06/2015

 

STJ suspende todas as ações coletivas e liminares que obrigavam operadoras a manter acesso nos celulares

 

Procon-SP afirma que alterações prejudicam o consumidor e que multas a empresas continuam valendo

ANDRÉ CABETTE FÁBIO
DE SÃO PAULO

As operadoras de celular Oi, Claro, TIM e Vivo voltaram a poder bloquear o acesso à internet por celular quando o usuário atinge o limite do pacote de dados contratado.

Uma decisão favorável à Oi datada do dia 22 do ministro Moura Ribeiro, do Superior Tribunal de Justiça, suspendeu todas as ações coletivas sobre o tema até que se decida em qual esfera o assunto será tratado.

Deixam também de ter validade liminares obtidas em primeira instância que ainda não foram sustadas em segunda instância, como a que impedia as empresas de realizarem o corte em São Paulo sob multa de R$ 25 mil ao dia.

Ela havia sido concedida pelo Tribunal de Justiça paulista a pedido do Procon-SP.

BLOQUEIO

O bloqueio após o uso da cota diária vem sendo realizado desde o fim de 2014 --antes, a velocidade era apenas reduzida.

Dessa forma, o cliente precisa desembolsar mais dinheiro para restabelecer a conexão, contratando um pacote com limite superior ao de sua franquia ou um pacote adicional para usar até o fim do ciclo de faturamento.

As ações coletivas argumentam que mudanças contratuais permitindo o bloqueio ocorreram sem que os usuários fossem informados, no momento em que adquiriram os serviços, de que essa era uma possibilidade.

A ação da Oi afirma, no entanto, que já foram propostas pelo menos 15 ações coletivas em vários Estados do país sobre o tema contra as operadoras.

De acordo com a empresa, isso teria criado "indefinição" e "decisões inconciliáveis sob o ângulo lógico e prático".

SEM DATA

Na decisão do STJ, Ribeiro defere o pedido de liminar até que se decida em qual esfera o caso será julgado.

A data para a decisão ainda não foi marcada.

O ministro ressalta, no entanto, "que houve o deferimento de quase todas as liminares em favor dos usuários da internet via telefone celular no sistema pré-pago".

MULTAS PROSSEGUEM

Procurada pela reportagem, a TIM afirma apenas que "está ciente da decisão do STJ". A Vivo e a Claro dizem que não comentam decisões judiciais e a Oi que não comenta decisões judiciais "em andamento".

O Procon-SP esclarece que continuam valendo, no entanto, multas somando R$ 22,7 milhões contra as empresas por causa das alterações dos contratos para viabilizar o bloqueio.

De acordo com o órgão, que é vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Governo do Estado de São Paulo, elas são resultado de um processo administrativo interno com base no Código de Defesa do Consumidor.

Folha de S. Paulo

 

 

Casa Civil
|
Portal da Transparência
|
Biblioteca Virtual
Receba notícias por e-mail

Cadastre-se e receba as novidades da Biblioteca periodicamente no seu e-mail.

Digite o seu e-mail