Notícias

Alta da tarifa da Eletropaulo chega a 75%
01/07/2015

 

Conta de energia residencial vai subir mais 17% no sábado (4) para 6,7 milhões de unidades consumidoras de SP

 

Reajuste é relativo à revisão tarifária e é o quarto que o consumidor vai sentir no bolso neste ano

JÚLIA BORBA
DE BRASÍLIA

Os clientes da Eletropaulo pagarão mais pela energia a partir de sábado (4). Para residências, o preço sobe 17,04%. Para a indústria, 11,73%. A medida é a quarta do ano a elevar os preços para 6,7 milhões de unidades consumidoras distribuídas em 24 municípios da região metropolitana de São Paulo, incluindo a capital.

Além do reajuste autorizado nesta terça (30), outros já tinham ocorrido neste ano.

Na lista estão: uma disputa judicial por investimentos feitos, mas não reconhecidos pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), que resultaram em decisão liminar determinando aumento médio de 3,53%; a revisão extraordinária das tarifas, aprovada para fechar as contas do setor elétrico neste ano; e a aplicação das bandeiras tarifárias, que começou neste ano em praticamente todo país.

Sem levar em conta a aplicação das bandeiras --que pode variar mensalmente--, o aumento das tarifas para residências atendidas pela Eletropaulo ultrapassa os 50% em 12 meses.

Segundo a distribuidora, considerando os aumentos, encargos, impostos e o efeito da bandeira tarifária --vermelha--, o reajuste é de 74,71%, em média, para residências.

Apesar de poder mudar mensalmente e custar menos, a bandeira tarifária está na cor vermelha desde janeiro e não há previsão para alteração.

A crise do setor, a falta de chuvas, o baixo nível dos reservatórios e o intenso uso de térmicas faz com que a cobrança permaneça no teto, a R$ 5,50 por 100 kilowatt-hora (kWh) consumidos.

Para que haja pequena redução no preço, será necessária mudança na cor da bandeira, que está atrelada a outros fatores como a estabilização dos preços no setor e melhora nas previsões de chuva.

"O reflexo da crise é sempre o aumento de preço, e quem paga a conta é sempre o consumidor", afirmou o diretor da consultoria Thymos Energia, Ricardo Savoia.

"O consumidor residencial muda hábitos e reduz o consumo quando há alta. Já a indústria passa a enfrentar um problema delicado de competitividade", disse.

De acordo com o diretor da Aneel José Jurhosa, relator do processo na agência, a elevação aprovada pode ser justificada principalmente pelo aumento de gastos no último ano com a compra de energia, o maior valor firmado para fechar contratos de fornecimento elétrico e o pagamento do empréstimo para o setor que foi tomado em 2014.

A revisão da Eletropaulo foi aprovada pela diretoria da Aneel nesta terça-feira (30).

Diferentemente do reajuste tarifário --feito anualmente e que corrige a inflação, valor de encargos, custos com operação, manutenção e gastos com compra de energia--, a revisão tarifária é feita de quatro em quatro anos.

O processo substitui o reajuste anual (só no ano em questão) e corrige as tarifas de forma mais ampla, considerando o equilíbrio financeiro da empresa, a correção dos investimentos feitos no período.

Folha de S. Paulo