Notícias

Tesouro vende R$ 134 mi em ações do Banco do Brasil
25/07/2015

 

Venda parou quando veio a público, dia 16; papéis estavam no Fundo Soberano e caíram 11,8% desde então

 

DE BRASÍLIA

Para tentar reforçar o caixa, o governo vendeu o equivalente a R$ 134 milhões em ações do Banco do Brasil que estavam no Fundo Soberano.

A informação foi divulgada pelo Tesouro Nacional nesta sexta-feira (24).

Segundo a nota enviada à imprensa, a operação foi iniciada em 29 de junho e concluída no dia 15, movimentando 5,6 milhões de ações ordinárias do BB.

O relatório trimestral de desempenho do Tesouro, divulgado em março deste ano, revelou que o Fundo Soberano tinha ações do banco no valor de R$ 2,5 bilhão.

Ou seja, o governo vendeu o correspondente a 0,54% das ações disponíveis.

O Fundo Soberano foi criado em 2008 e é vinculado ao Ministério da Fazenda. Criado com patrimônio de R$ 14,2 bilhões, ele tinha por objetivo rentabilizar a poupança do governo federal, como ocorre nos países asiáticos.

Desde então o fundo aplicou majoritariamente em títulos da dívida pública brasileira, ações da Petrobras (depois repassadas ao BNDES com valor menor) e papéis do BB –R$ 12,4 bilhões foram sacados para fechar as contas do governo em 2012.

"TESTE"

Numa venda inicial, em 29 de junho, foi vendido cerca de 1 milhão de ações, no valor de R$ 23,86 milhões, como um "teste" para verificar o impacto da operação nos papéis do banco.

As vendas foram paralisadas no dia 16 deste mês, quando a operação foi revelada pela agência de notícias Bloomberg. Naquele dia, os papéis recuaram 3,3%. Desde então, caíram mais 11,84%.

No dia 16, o Tesouro confirmou a venda de papéis do BB e afirmou que ela tinha por objetivo uma "readequação técnica" das aplicações do Fundo Soberano e era uma "medida prudencial" no contexto fiscal atual.

A queda na arrecadação neste ano e o aumento de gastos levaram o governo a revisar sua meta de economia para este ano, de 1,1% para 0,15% do PIB. Até a semana passada, a Fazenda ainda tentava evitar uma redução brusca da meta.

Folha de S. Paulo