Notícias

Zé Gotinha tira RG pela segurança das crianças
07/08/2015

 

O Zé Gotinha, quem diria, já tem carteira de identidade. Criado para estimular a vacinação infantil, o personagem agora faz parte de uma campanha para incentivar os pais a providenciarem o RG de seus filhos o mais cedo possível. Com o mote “Tirar o RG infantil o mais cedo possível é um ato de amor”, a iniciativa da Secretaria de Estado da Saúde, que tem o apoio do Poupatempo, visa a facilitar a localização de crianças e adolescentes desaparecidos, uma vez que, com a retirada do documento, a Secreta ria de Estado da Segurança Pública passa a armazenar dados importantes para a busca.

De acordo com informações da ONG Mães em Luta, associação nacional de prevenção e busca a pessoas desaparecidas criada em 2005, somente na capital e Região Metropolitana de São Paulo desaparecem aproximadamente 60 pessoas por dia. Em todo o País, são cerca de 250 mil pessoas desaparecidas anualmente, sem deixar rastro. Dessas, 40 mil têm menos de 18 anos, de acordo com estatísticas oficiais do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

Facilitador – “Temos nos empenhado para as crianças terem seu documento de identidade. Por um lado, pela questão da segurança; por outro, porque as instituições em geral têm solicitado cada vez mais o RG para a realização de procedimentos, o que o torna um facilitador”, informa Tânia Virgínia de Souza Andrade, superintendente de Operações do Poupatempo, órgão vinculado à Secretaria de Gestão Pública. Segundo Tânia, além disso, o uso do RG ajuda os responsáveis a preservar a certidão de nascimento, que se deteriora mais facilmente devido ao manuseio.

O apoio à campanha criada pela pasta da Saúde está presente em todos os postos do Poupatempo, com a divulgação de cartazes e filipetas, além da disponibilidade para a emissão do RG para crianças de qualquer idade. A superintendente explica que não há pré-requisito relacionado à idade para a emissão do documento. “É necessário apenas que um dos responsáveis compareça ao posto com a criança, levando a certidão de nascimento.”

Digitais – O primeiro passo, no entanto, é agendar a visita ao Poupatempo (ver serviço). Como as digitais da criança ainda não estão totalmente definidas, apenas as impressões dos dedos polegares são documentadas na carteira de crianças de até 5 anos, e no lugar onde iria a assinatura aparece o aviso de que o portador do RG está ‘impossibilitado de assinar’.

Estatísticas oficiais do órgão indicam que somente no Estado de São Paulo 187,1 mil bebês de até 3 anos tiraram o RG de janeiro a dezembro de 2014. No ano anterior, foram 156,8 mil da mesma faixa etária. Com o filho pequeno no colo, os pais têm atendimento preferencial. Para maior comodidade, é oferecido serviço de remessa de documentos pelos correios, com custo de R$ 9,09. “A procura pelo RG de crianças tem aumentado, e a gente espera que cresça ainda mais com a campanha”, diz Tânia.

DOE, Executivo II, 07/08/2015, p. I