Notícias

Aneel propõe redução na bandeira vermelha
14/08/2015

 

Agência estima que medida reduzirá em 2% conta de luz do consumidor residencial

 

DA REUTERS

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) propôs uma redução na taxa das bandeiras tarifárias vermelhas para R$ 4,50 para cada 100 quilowatt-hora consumido, ante os R$ 5,50 atualmente em vigor, uma queda de cerca de 18%.

Se confirmado, o novo valor entrará em vigor entre setembro e dezembro deste ano e reduzirá em 2%, em média, a conta de luz dos consumidores residenciais, estimou Romeu Rufino, diretor-geral da agência reguladora.

A proposta de redução permanecerá em audiência pública entre os dias 14 e 24 de agosto. Depois disso, a ideia da Aneel é aprovar a mudança no dia 28 deste mês para que a nova taxa já entre em vigor em setembro.

As bandeiras vigoram quando há custos mais elevados de geração, com o uso de termelétricas, por exemplo, e sinalizam uma cobrança extra na conta de luz.

O anúncio de que o valor da bandeira vermelha cairia foi feito pela presidente Dilma, na terça (11). Inicialmente, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, havia estimado em 15% a queda no valor da bandeira tarifária e em 1% o valor da conta de luz.

A proposta de redução apresentada pela Aneel decorre de solicitação do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, que na semana passada mandou desligar 2.000 megawatts gerados em termelétricas que têm custo de operação superior a R$ 600 por megawatt-hora.

Segundo Rufino, apesar de o desligamento das térmicas ter permitido a proposta de baixar o custo da bandeira vermelha, ainda não permite mudar a cor para amarela, na qual a taxa adicional corresponde a R$ 2,50 para cada 100 quilowatt-hora.

Para isso, afirma, seria necessário desligar termelétricas com custo de operação abaixo de R$ 388 por MWh.

Folha de S. Paulo