Notícias

Anvisa quer centralizar rastreamento de remédios
1/10/2015

 

Medida visa agilizar sistema de controle de medicamentos previsto para 2016

 

Discussão sobre posse de dados, gerados a partir de código na embalagem, era um dos entraves da proposta

NATÁLIA CANCIAN
DE BRASÍLIA

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) vai propor um novo modelo para administrar os dados gerados a partir da rastreabilidade de medicamentos, medida inicialmente prevista para ser implementada até 2016.

Conhecido como RG dos remédios, o objetivo do sistema é controlar todo o caminho desses produtos –da indústria às distribuidoras, passando pela farmácias e ao próprio consumidor.

Pela proposta aprovada anteriormente, os dados, que permitem saber a localização dos produtos, ficariam de posse dos fabricantes.

Agora, a agência irá propor um modelo próprio e centralizado de informações. Neste caso, o governo receberia diretamente das indústrias, distribuidoras e pontos de venda os dados dos medicamentos, sem intermediários.

A nova proposta, à qual a Folha teve acesso, deve ser apresentada em reunião da agência nesta quinta (1º).

A medida responde a críticas do setor, especialmente do varejo, que vê riscos no compartilhamento de alguns dados com os laboratórios farmacêuticos.

Entidades como a Abrafarma, que representa um terço das farmácias no país, entraram na Justiça contra a Anvisa para evitar o problema. A preocupação é que o acesso às informações poderia ferir a questão de concorrência.

Com as reformulações, a agência espera reconciliar o setor sobre a proposta da rastreabilidade e evitar o naufrágio da medida, criada por uma lei federal há seis anos.

Com o rastreamento, a Anvisa espera evitar falsificações de remédios, impedir a distribuição de produtos fora da validade e acelerar o recall em caso de problemas, entre outras medidas.

O rastreamento é feito por meio da impressão, em cada embalagem, de um código bidimensional e um número de identificação próximos às datas de fabricação e de validade e ao número do lote do medicamento.

PRAZOS

Inicialmente, a meta da Anvisa é que o sistema seja testado a partir do final deste ano –quando a indústria deve apresentar três lotes de medicamentos rastreáveis– e implementado em 2016.

O prazo, no entanto, tem dividido o setor.

Após propostas no Congresso de adiar a implementação da ferramenta de controle por até uma década, representantes da indústria farmacêutica, do varejo e distribuidores agora pedem que o processo seja implementado em até quatro anos e oito meses.

Procurada pela reportagem, a Anvisa diz esperar que o novo modelo para o sistema de controle de medicamentos possa simplificar o processo e acelerar o cumprimento do prazo inicial.

A previsão da agência é que o sistema fique pronto em até um ano. O custo é estimado em R$ 10 milhões.

Folha de S. Paulo