Notícias

São Paulo lança gibi da Turma da Mônica para divulgar turismo
29/01/2016

 

Houve de tudo um pouco durante a homenagem prestada a Maurício de Sousa na tarde de ontem, 28, no mezanino do Palácio dos Bandeirantes: o lançamento do gibi Turismônica, com tiragem de um milhão de exemplares, entrega da Medalha Mário de Andrade ao cartunista.

Sem contar a presença dos bonecos da Mônica e do Cebolinha, de um grupo da melhor idade de Santa Isabel mais do que animado, integrado por conterrâneos do cartunista, que vieram especialmente para o evento, e também de crianças da escola estadual Professor Adolfo Trípoli, na Vila Sônia.

A diretora da Adolfo Trípoli, Márcia Camossa de Souza Ferreira, comemorava, comovida, pois foi uma loucura convocar a turma de 18 alunos, todos em férias. “Improvisamos. O jeito foi ligar de casa em casa, dando preferência aos que moram mais perto daqui. No final, deu tudo tão certo, houve colaboração geral da parte dos pais e da meninada que conhece bem o Maurício dos gibis, mas queria vê-lo pessoalmente”, conta. “Por mais de quatro anos trabalhamos a obra dele – gibis, vídeos, livros de história. Esse encontro de hoje só vem acrescentar ao trabalho desenvolvido na escola, como uma espécie de coroamento. Para os alunos é um presente.”

Fãs de carteirinha – Nestor da Silva Santos Júnior, 12 anos, ao lado da irmã Steffani, 13, ambos alunos da Adolfo Trípoli, leem gibis da turma da Mônica “desde bem cedo”, segundo Steffani. “Meus pais compram direto, já tivemos mais de cem gibis em casa, como se fôssemos colecionadores.” Nestor, que aprecia as travessuras do Cebolinha, diz gostar de viajar e imagina que a vida de um turista seja bem interessante, como mostra um quadrinho da revista no qual os personagens Cascão, Mônica, Franjinha e Magali falam sobre viajar e como é divertido. Ao lado, as coleguinhas Denise Pinto do Nascimento, 9 anos, Kamily Rodrigues de Alencar, 9 anos, e Fabiana Alves da Silva, 10 anos, fazem coro às opiniões dos irmãos. “Legal uma revista que fale sobre viajar”, diz Fabiana.

Turismônica, em formato de gibi, é uma parceria do governo do Estado com a Maurício de Sousa Produções. Tem o objetivo de apresentar de maneira lúdica e educativa a importância do turismo como fator de desenvolvimento econômico e social, com conceitos de definição e segmentos das estâncias turísticas que enfocam acessibilidade e hospitalidade, segundo Maurício Petiz, coordenador de Turismo da Secretaria de Turismo.

Em pauta – As revistinhas serão distribuídas para alunos e professores do primeiro ao quarto ano da rede pública estadual de ensino e poderão ser utilizadas pelo professor como ferramenta na construção do conceito interdisciplinar e crítico do aluno, pois o turismo abrange variados conceitos.

Segundo a secretaria, a intenção é que alunos e professores disseminem os conhecimentos aprendidos em sala de aula, com o auxílio do gibi, para seus amigos e familiares, uma vez que o turismo precisa estar em pauta em todas as esferas da sociedade, como fator de desenvolvimento econômico e social.

Dos exemplares, 700 mil irão para a Secretaria da Educação, e 300 mil serão distribuídos para prefeituras do Estado, bibliotecas municipais e escolas municipais que tenham o turismo em sua grade curricular. “O turismo precisa ser discutido sob todos os aspectos e as crianças, a partir da informação na escola, vão repassar para a comunidade”, acentua Petiz. O coordenador explica que, ainda neste ano, a pasta vai retomar o projeto ‘Turismo do Saber’, pelo qual as crianças do interior vão passar um fim de semana na praia e as da capital irão para o campo, numa troca de experiências.

Ferramentas – O cartunista Maurício de Sousa, aos 80 anos, por sua vez, lembrou que está na estrada há mais de 57 anos e parece que está apenas começando. Brincou com a plateia: “Quem aprendeu a ler com a turma da Mônica pode levantar a mão.” Não houve quem não se manifestasse. Depois, referiu-se à publicação: “A turma da Mônica dá esse banho de alegria e até mesmo de molecagem: o produto é de grande importância, de muito peso, com ferramentas de bastante interesse. Acredito que este é o começo de um processo cada vez mais intenso – ligar o turismo à educação. Vou continuar com o nosso trabalho iniciado há mais de meio século e que está apenas no começo,” disse, provocando mais risos na plateia.

Ao final, medalha Mário de Andrade pendurada no pescoço, tranquilamente saudado por Mônica e Cebolinha, autografa as dezenas de revistas para o público. “Ah! Cadê o carimbo, para facilitar.” Mais risos.

Enquanto não chegava a vez do grupo da Melhor Idade cumprimentar o conterrâneo, Maria Serra, que não perde nenhuma apresentação do ilustre filho de Santa Isabel, fica ansiosa com medo de perder essa: “É como ir a Roma e não ver o Papa!”.

DOE, Executivo II, 29/01/2016, p. I