Notícias

Etecs aprovam mais de 4 mil em universidades públicas
07/04/2016

 


Estudantes de Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) paulistas destacaram-se nos vestibulares de instituições públicas de todo o País neste ano. Entre as unidades mantidas pelo Centro Paula Souza, houve pelo menos 4 mil aprovações, distribuídas em mais de 80 universidades ou faculdades nas quais os estudantes garantiram vaga gratuita no ensino superior.


Unidade de Araraquara é a campeã no Estado, com 176 aprovações nos vestibulares entre os seus alunos


As escolas com o maior número de aprovados foram as Etecs Professora Anna de Oliveira Ferraz, de Araraquara (176), Coronel Fernando Febeliano da Costa, de Piracicaba (134), e Vasco Antônio Venchiarutti, de Jundiaí (121). Além de universidades paulistas, como USP, Unesp e Unicamp, os alunos foram aprovados em instituições de 19 Estados.


Para a diretora da Etec de Ara raquara, Luciane Thomazini Furtado, o trabalho em equipe realizado pelos docentes da escola explica em boa medida os resultados alcançados.  “No ensino médio, a ênfase é a preparação para o vestibular, e trabalhamos  muito com projetos interdisciplinares, que estimulam os alunos”, afirma Luciane.


Entre os projetos, a diretora cita um intitulado Luz, Câmera, Action, por meio do qual os estudantes realizam vídeos a partir da releitura de contos brasileiros e estrangeiros. Há ainda a roda da leitura, em que a classe estuda um livro clássico, com ênfase na lista de obras exigidas em vestibulares, e debate a respeito em sala de aula.


Industrial - Localizada no centro de Araraquara, a atual Etec Professora Anna de Oliveira Ferraz foi criada em 1948, com o nome de Escola Industrial – denominação que informalmente ainda é utilizada. Ao surgir, havia apenas classes femininas. A primeira turma masculina ingressou nessa unidade em 1950. Em 1994 passou a ser administrada pelo Centro Paula Souza.


A escola oferece ensino médio e cursos técnicos integrados ao ensino médio. Entre as habilitações disponíveis estão: administração, contabilidade, enfermagem, informática, mecânica, mecatrônica e secretariado. Mantém ainda classes descentralizadas em uma escola estadual de Araraquara e em municípios vizinhos.


Neste ano, estão matriculados aproximadamente 1,8 mil alunos, dos quais 480 do ensino médio, 800 do ensino técnico e 500 das classes descentralizadas. “Temos nove turmas de ensino médio e três turmas de ensino médio integrado, curso no qual, além da parte básica, os estudantes têm a parte profissional. O aluno sai com o certificado de conclusão do ensino médio e também a habilitação profissional”, diz Luciane. No total, lecionam 112 professores.


Projetos - Franciele Santos, de 18 anos, está entre os estudantes da Etec que ingressaram em universidade pública. Na verdade, ela obteve quatro aprovações. Franciele optou por estudar matemática na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), mas passou também nos vestibulares da Unesp (em engenharia de bioprocesso e biotecnologia), da USP e da Uni camp (ambos em estatística).


“Acredito que a Etec prepara a gente para se virar. Por exemplo, os professores sempre diziam que temos de chegar em casa e estudar a matéria do dia. Senão, na semana de provas não dará tempo de estudar tudo”, comenta Franciele. A garota, que pretende ser professora, conta que participou desde o 1º ano do projeto de monitoria na Etec, em que alunos ensinam os colegas que têm dificuldades.


Franciele afirma estar adorando o curso na UFSCar: “É muito bom, cinco estrelas. Quero dar aulas. Sempre gostei de ensinar, e os professores da Etec me influenciaram nisso”. Ela acredita que os projetos interdisciplinares ajudam muito, porque, “além de aprender a trabalhar em grupo, os alunos são responsáveis pelo desenvolvimento e pelas ideias contidas nos trabalhos”.


Vinícius Guerso, que também estudou na unidade de Araraquara, resume a importância que atribui à escola com uma frase: “Não fiz cursinho, só o ensino médio na Etec, e consegui passar direto no vestibular”. O jovem de 18 anos cursa engenharia de bioprocesso e biotecnologia na Unesp de Araraquara. “Para mim, o método da escola valoriza tanto o aluno quanto o professor. Existem muitos projetos interdisciplinares, como o sarau literário e a semana ambiental, que ajudam bastante”, diz o estudante.


A diretora Luciane, no cargo há quatro anos, informa que o Centro Paula Souza orienta todas as Etecs a fazer o perfil dos alunos. Ele é utilizado para aprimorar o método de ensino. “Nas primeiras semanas de aula, há questionários para todas as turmas. Depois, tabulamos as respostas e trabalhamos os resultados com os professores e nas reuniões pedagógicas. Isso nos auxilia a organizar os projetos”, avalia.


Franciele cita, entre os trabalhos feitos na Etec, um vídeo realizado em grupo que adaptou parte da história do clássico Decameron, de Giovanni Boccaccio (1313-1375). “As aulas em que discutimos o mundo atual, que fogem um pouco do padrão do professor passando matéria”, é o destaque para Vinícius. Ele elogia “a liberdade que todos têm dentro da Etec”.


A diretora afirma que, entre os educadores do ensino médio, a maioria tem mais de 25 anos de casa, o que facilita o trabalho coletivo. A ex-aluna Franciele concorda: “Como os professores estão juntos há muito tempo, o bom relacionamento entre eles acaba influenciando os alunos”, afirma. “Parece haver uma grande harmonia. Acho sensacional a atenção dos professores de lá”, finaliza.


Cláudio Soares


DOE, Executivo I, 07/04/2016, p. IV