Notícias

SP apresenta plano de contingência na saúde para os Jogos Olímpicos
13/07/2016

 

Equipes estarão de prontidão nas imediações e dentro da Arena Corinthians; haverá uma estrutura completa para agir em situações de emergência

 

O Estado de São Paulo está preparado para os Jogos Olímpicos. Foi apresentado nesta quarta-feira (13) o Plano de Contingência, elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde em conjunto com o Comitê Paulista das Olimpíadas 2016.

Tal plano garante atendimento médico em eventuais situações de emergência durante a realização das partidas de futebol no torneio Olímpico que ocorrerão na Arena Corinthians entre os dias 3 e 19 de agosto.

"Nós vamos receber muito bem as 18 delegações de várias partes do mundo que virão para São Paulo. O Plano de Contingência já começa neste final de semana e passa por várias áreas de saúde, desde hospitais, emergências, até ações antiterroristas", declarou o governador Geraldo Alckmin.

O Plano é similar ao traçado pelo Governo do Estado para a Copa do Mundo FIFA 2014 e foi reformulado por ocasião dos Jogos Olímpicos, considerando as características do evento.

“O plano de contingência de saúde, somado aos de outros setoriais como segurança, mobilidade e energia, deixam o Estado de São Paulo completamente preparado para receber as partidas de futebol do torneio olímpico”, assegurou Roberto Arantes, secretário executivo do Comitê Paulista das Olimpíadas 2016.

Na prática

Haverá uma estrutura completa com hospitais de campanha, helicóptero Águia e outras medidas para garantir celeridade e eficiência no socorro.

Nos dias com partidas no "Itaquerão", duas tendas infláveis, em um raio de um quilômetro do estádio, poderão ser montadas para funcionar como hospitais de campanha, com equipes formadas por médicos e enfermeiros à disposição para atendimentos emergenciais, além de equipamentos, remédios e itens de primeiros-socorros. Elas só serão armadas em caso de necessidade.

Nas proximidades da Arena também será possível instalar um corredor com barracas-chuveiro e chuveiros infláveis para o processo de descontaminação em caso de emergências químicas e bioterrorismo. Nesses casos o GRAU (Grupo de Resgate e Atenção às Urgências e Emergências) atuará em conjunto com o Corpo de Bombeiros e as Forças Armadas (Exército e Marinha).

Durante o horário dos jogos, cerca de 30 médicos e enfermeiros do GRAU da Secretaria, "tropa de elite" do resgate médico estadual, estarão de prontidão na Arena Corinthians e em locais estratégicos, como uma base dos Bombeiros próximas ao Aeroporto de Guarulhos e na zona leste da cidade, incluindo a estação de metrô Corinthians-Itaquera.

A equipe posicionada no estádio terá dois médicos, dois enfermeiros e um coordenador de desastres, prontos para atuar em circunstâncias atípicas, como terrorismo, explosões, emergências químicas e buscas e resgates em estruturas danificadas. Um médico do GRAU também estará a postos no helicóptero Águia da Polícia Militar, estacionado próximo ao "Itaquerão".

Saúde equipada

A Secretaria também possui equipamentos de proteção como botas, luvas, máscaras e roupas especiais para emergências químicas e biológicas, tenda de pressão negativa (com chuveiros para descontaminação) e macas para transporte de vítimas contaminadas, entre outros itens úteis ao atendimento pré-hospitalar.

Haverá, ainda, um médico no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) e, conforme a amplitude da demanda na prestação do primeiro atendimento, a pasta contará com apoio da equipe da Central de Regulação para o encaminhamento de vítimas aos hospitais.

A empresa contratada pela Rio 2016 ficará responsável pelo atendimento de rotina no interior do estádio e, numa eventualidade, sua equipe auxiliará o GRAU.

O plano inclui um fluxo de solicitações e atendimento entre o Aeroporto de Guarulhos e a Secretaria de Estado da Saúde. Assim, a pasta manterá canal direto com o aeroporto, prestando orientações e enviando médicos e enfermeiros para o local, se necessário.

A rede hospitalar do Estado de São Paulo estará disponível a todos que necessitarem de atendimento médico. Inicialmente, 13 hospitais serão utilizados para encaminhamento de torcedores feridos no caso de alguma contingência. Em uma situação excepcional, com milhares de vítimas, todos os hospitais da região metropolitana serão acionados.

Outras ações

Além das medidas de resgate, também foi programado reforço às estratégias de prevenção e combate ao Aedes aegypti. A Sucen (Superintendência de Controle de Endemias), autarquia vinculada à Secretaria da Saúde, intensificará as ações de bloqueio de criadouros nas cidades que compreendem o circuito da tocha olímpica.

Cerca de 1,5 mil agentes atuarão na eliminação de potenciais focos do mosquito em pontos turísticos, proximidades de centros de treinamento, hotéis, restaurantes e locais de maior movimento durante o período.

Do Portal do Governo do Estado