Notícias

Etec projeta equipamento que permite banho mais econômico
13/08/2016

 

Evitar o desperdício de água, durante o banho, de forma prática e barata. Com esse objetivo, dois professores da Escola Técnica Estadual (Etec) Tenente-Aviador Gustavo Klug, de Pirassununga, desenvolveram um sistema que possibilita economizar cerca de 50 litros de água a cada banho de 15 minutos de duração (considerada apenas para efeitos de cálculos, pois o ideal é que o tempo de um banho seja menor).

O projeto Economic Shower utiliza um sensor que, acoplado ao chuveiro, interrompe a saída de água se a pessoa que está tomando banho se afasta da ducha para se ensaboar. Assim que o sensor detecta o retorno dela para debaixo do chuveiro, a água volta a jorrar automaticamente.

Um dos criadores do sistema, Luiz Arthur Malta Pereira, afirma: “Dados indicam que há desperdício de 35% de água quando ensaboamos o corpo embaixo do chuveiro, sem fechar o registro. Como o gasto em um banho de 15 minutos é de 144 litros de água, o desperdício nesse tempo chega a 50 litros”. Formado em Engenharia Mecatrônica, Pereira é o diretor da Etec, e originalmente dava aulas de Eletrônica e de Automação. O professor de Informática Vitor Firmino é o outro participante da pesquisa.

O equipamento é formado por uma placa eletrônica de controle, um sensor de presença e uma válvula solenoide para abertura e fechamento do fluxo de água. “O sensor capta o movimento de quem está tomando banho. É o mesmo que ocorre em torneiras de banheiros públicos, que detectam quando a pessoa mexe as mãos sob a torneira”, diz o diretor da Etec.

Ajustes – No protótipo montado pelos professores, o sensor está situado fora do chuveiro, entre os canos. Como parte dos ajustes que eles estudam atualmente, uma das ideias é colocar o equipamento no próprio chuveiro – a placa eletrônica e a válvula solenoide no interior e o sensor, na parte externa.

“O projeto foi concebido em 2014, no período de auge da crise no abastecimento de água no Estado”, conta Pereira. O desenvolvimento, de acordo com ele, levou cerca de oito meses. “Nossa maior dificuldade técnica foi fazer com que o sensor não detectasse o movimento da água, mas apenas o da pessoa”, revela. Como se trata de um sensor de presença, se estivesse apontado para a água, captaria o fluxo do líquido e o interromperia.

O projeto Economic Shower foi um dos 15 finalistas do 3º Desafio Inova Paula Souza de Ideias e Negócios, cuja cerimônia de premiação ocorreu em junho, na capital. Organizado pelo Centro Paula Souza, autarquia que administra as Etecs e Faculdades de Tecnologia do Estado (Fatecs), essa competição visa a revelar iniciativas das unidades de ensino com potencial para formação de novas startups (empresas nascentes de tecnologia).

“A participação no 3º Desafio Inova Paula Souza foi importante porque nos deu visibilidade e documentou a existência do projeto”, avalia Pereira. “Esperamos que, com a repercussão alcançada, possamos captar recursos para viabilizar a comercialização, ou encontrar empresas interessadas em uma parceria”, completa.

Custo – O próximo passo, diz Pereira, é instalar o equipamento, para testes, em dez casas. “As pessoas serão chamadas a opinar sobre o funcionamento e avaliar se teriam interesse em comprá-lo, caso fosse comercializado”, afirma o diretor. Ele prevê que essa fase de testes tenha início até o fim deste ano.

Pereira estima que o custo unitário do equipamento, se for produzido em larga escala, ficará entre R$ 10 e R$ 15. Isso significa que um chuveiro simples, já equipado com o sistema, teria preço aproximado de R$ 50. Chuveiros mais sofisticados, como os que regulam temperatura, custariam, com o equipamento, R$ 150.

DOE, Executivo I, 13/08/2016, p. I