Notícias

Para 'Economist', Brasil precisa de leis mais duras contra racismo
27/01/2012

 

Reportagem diz, entretanto, que 'direitos extras a negros e mulatos' trazem riscos de promover divisão racial.

 

A revista britânica The Economist defende a introdução de leis mais duras no Brasil para combater o racismo.


Em uma reportagem sobre o racismo e a situação dos negros no país, a revista diz que "a questão que o Brasil enfrenta hoje é se o melhor jeito de retificar o legado escravocrata é dar direitos extras aos negros e mulatos".


Segundo a Economist, essa opção, defendida pelo governo e por ativistas, é válida, mas traz riscos, como a promoção das políticas de divisão racial.


"Uma combinação de leis mais duras contra o racismo e cotas para a educação superior para compensar o fraco sistema público educacional pode ser uma melhor opção", afirma a revista.


Raízes


A abrangência da escravidão no Brasil e como o país parece insistir em esquecer sua história são citados como raízes do racismo no país.


"A perversidade da escravidão, o atraso na abolição e o fato de nada ter sido feito para transformar ex-escravos em cidadãos... tudo isso tem um impacto profundo na sociedade brasileira", afirma o texto.


Fonte: Estadão.com.br