Notícias

Usuários de substâncias químicas são mais bem acolhidos no Cratod
25/08/2016

 

Para aprimorar o atendimento no combate à dependência química no Estado de São Paulo, o Centro de Referência de Álcool, Tabaco e outras Drogas (Cratod) acaba de ser modernizado e ampliado. O Governo do Estado de São Paulo investiu R$ 736,1 mil em obras e renovação do mobiliário e equipamentos.

“Com as reformas aprimoramos a planta do Cratod, tornando-a mais adequada às necessidades do programa estadual Recomeço (assistência multiprofissional para ajudar os dependentes químicos, principalmente os usuários de crack), sediado em nossas instalações”, informa Marcelo Ribeiro de Araújo, diretor-técnico do centro.

Ele diz que as intervenções resultam em melhores acomodações aos pacientes atendidos no setor de urgência e àqueles encaminhados ao programa Recomeço (realizado pelo Tribunal de Justiça, Ministério Público, Defensoria Pública e Ordem dos Advogados do Brasil), além de oferecer boas condições de triagem na enfermaria, testes rápidos de HIV, hepatites B e C e sífilis.

Araújo conta que as obras começaram no final de 2015 e não interromperam a rotina de atendimento. Os leitos de observação foram ampliados de 25 para 37 (área de retaguarda onde o paciente permanece em observação de um a três dias para avaliação de clínico-geral, psiquiatra, psicólogo e assistente social). Essa área é adaptada para atender às diferentes necessidades dos dependentes.

Ampliação – A área de isolamento recebeu três leitos (para pacientes com suspeita de tuberculose). As obras também incluem dois consultórios e uma sala exclusiva para atendimento médico de emergência. Além disso, também foram modernizadas as instalações do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD). O número de consultórios médicos, por exemplo, passou de dois para sete.

O setor de odontologia do centro de referência, totalmente reestruturado, localiza-se agora dentro do Caps AD. Destaque para melhorias nos consultórios e sala de próteses.

“Com as novas instalações, o Cratod está pronto para receber usuários de qualquer substância química, mesmo que estejam em fase aguda de intoxicação”. Araújo informa que se o paciente chegar ao Cratod sem sintomas severos da dependência química (caso controlado), assistentes sociais e outros técnicos lhe oferecerão orientações específicas para busca de emprego (mais especificamente programa Time do Emprego da Secretaria Estadual do Emprego e Relações do Trabalho) e cursos técnicos do Centro Paula Souza.

A instituição oferece 15 mil atendimentos de triagem por ano. “Esse é um volume alto de assistência. Com as reformas, esse atendimento será mais organizado”, comemora o diretor.

Capacitação – O Cratod realiza atendimento 24 horas, todos os dias da semana. Atendeu, nos últimos dois anos, mais de 200 mil telefonemas com orientações a familiares de usuários (ver serviço). Até o momento, realizou 30.307 acolhimentos. Dos 14.071 encaminhamentos de pacientes para internação, 85,5% ocorreram de forma voluntária, isto é, com o consentimento do dependente.

O Cratod também atua na prevenção e tratamento dos transtornos decorrentes do uso indevido de substâncias psicoativas. É responsável pela organização, capacitação e manutenção das Redes de Tratamento do Tabagismo e Rede Recomeço no Estado de São Paulo.

Além de promover atendimento contra a dependência química, a unidade realiza a capacitação de profissionais de saúde para a instalação de Caps AD em municípios, sendo referência em esclarecimentos à população sobre os riscos do consumo de derivados do tabaco, álcool e demais drogas.

O convênio entre o Cratod, o Tribunal de Justiça, o Ministério Público, a Defensoria Pública, a Ordem dos Advogados do Brasil e o Governo do Estado acaba de ser renovado, o que garante a continuidade do programa Recomeço.

Multiprofissional – O programa Recomeço é uma iniciativa estadual criada para ajudar os dependentes químicos, principalmente os usuários de crack, com tratamento e acompanhamento multiprofissional ao paciente e aos seus familiares.

Desde 2013, o Governo paulista mantém plantão judiciário e uma unidade social de acolhimento no centro para oferecer maior celeridade na triagem e encaminhamento de pacientes para internação – seja em leitos de enfermaria, seja em comunidades terapêuticas, seja acompanhamento ambulatorial nos Caps AD municipais.

O plantão judiciário visa a agilizar o encaminhamento de pacientes para internação involuntária (com consentimento dos familiares) e compulsória (decidida pelo juiz) nos casos previstos na legislação federal. Esse plantão, que ocorre de segunda a sexta-feira, inclui médico, advogado, representantes do Ministério Público e do Judiciário.

DOE, Executivo I, 25/08/2016, p. II