Notícias

Pessoas com deficiência têm programação especial
19/10/2016

 

Secretaria da Cultura divulga atividades culturais para celebrar o Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência, na próxima sexta (21)

 

Na próxima sexta-feira (21) é comemorado o Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência, uma data importante para lembrar que todos têm direito ao acesso a atividades culturais, fundamentais para integrar a sociedade e fomentar o conhecimento.

Por isso, o Governo de São Paulo se preocupa em apresentar acessibilidade em seus espaços culturais, exposições, espetáculos, acervos, apresentações artísticas, cursos, oficinas, entre outras ações, que podem ser acessadas, utilizadas e compreendidas por qualquer pessoa, independentemente de sua condição física e intelectual.

Mais do que seguir as diretrizes presentes na legislação, o Estado de São Paulo tem desenvolvido inúmeras ações voltadas às pessoas portadoras de deficiência.

Veja abaixo as opções para celebrar o Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência:

Bibliotecas

As bibliotecas de São Paulo e do Parque Villa-Lobos são totalmente acessíveis e oferecem acesso integral a todos os ambientes e ao acervo. Os usuários ainda encontram equipamentos especializados, como folheador de páginas, mesa ergonômica, leitora autônoma, reprodutor de áudio, régua Braille, teclado e mouse adaptados, computador com leitor de tela e ampliador de caracteres. Para as pessoas com deficiência visual, o acervo é disponibilizado também em Braille, livros falados e audiolivros.

Espetáculos

O Teatro Sérgio Cardoso oferece audiodescrição e libras em algumas sessões. Para participar é necessário solicitar as poltronas reservadas de acordo com a disponibilidade, que inclui baixa visão, cegos com audiodescrição, cegos acompanhados de cão guia, cadeirantes e surdos com tradução em Libras.

Dança

Desde 2013, a São Paulo Companhia de Dança utiliza o recurso de audiodescrição - modo que transmite aos deficientes visuais, por meio de fones de ouvido, informações sobre cenário, figurino e, principalmente, os movimentos dos bailarinos - em suas apresentações por espaços públicos do interior e da capital de São Paulo.

Por meio do aplicativo gratuito Whatscine, para smartphones e tablets, os recursos de audiodescrição, interpretação em Libras e subtitulação permite que as pessoas com deficiência entrem em contato com a experiência da dança. São oferecidos fones de ouvido e tablets para as pessoas que não têm o aplicativo em seus celulares.

Música

Tanto a EMESP - Escola de Música do Estado de São Paulo - como o Projeto Guri - programa de educação musical - oferecem a musicografia Braille, que consiste na transformação da partitura em Braille, permitindo assim a leitura e a associação com diversos instrumentos como violão, cavaquinho, flautas, entre outros. No caso do Guri, os educadores dos polos de ensino no interior e litoral foram capacitados para o uso do software Musibraille (que permita a musicografia) e, para os alunos totalmente cegos, há também a distribuição de livros em Braille, que são usados como material didático.

Museu

O MIS-SP oferece, em edições trimestrais, o Acessa MIS, projeto de acessibilidade que busca aproximação das pessoas com deficiência ao museu por meio de visitas monitoradas e atividades práticas.

Para aproximar o público de seu acervo, o Museu Afro Brasil, por meio do programa Plural Singular, selecionou obras originais e reproduções de obras liberadas ao toque, além de maquetes tridimensionais com legendas em dupla leitura (à tinta e em Braille). Há também reproduções em relevo de obras de arte e jogos educativos.

Do Portal do Governo do Estado