Notícias

Sistema São Lourenço levará água para 2 milhões de moradores na Grande SP
26/10/2016

 

Alckmin visitou as obras que beneficiarão as cidades de Barueri, Carapicuíba, Cotia, Itapevi, Jandira, Santana de Parnaíba e Vargem Grande Paulista

 

As obras do novo Sistema São Lourenço estão em ritmo acelerado. O governador Geraldo Alckmin visitou nesta quarta-feira (26) o túnel de um quilômetro de extensão, em Cotia. Na estrutura, aberta próximo à rodovia Raposo Tavares, será instalado a adutora que levará água para 2 milhões de moradores da região oeste da Grande São Paulo.

O túnel, que já está totalmente escavado, terá uma adutora de 1,80 metro de diâmetro. Além disso, a construção do São Lourenço conta com trabalhos que incluem a captação da água, a estação de tratamento, reservatórios e o assentamento das adutoras, que terão no total 83 km de extensão.

Quando estiver pronto, o novo sistema produtor vai beneficiar as cidades de Barueri, Carapicuíba, Cotia, Itapevi, Jandira, Santana de Parnaíba e Vargem Grande Paulista. A previsão é que a obra entre em operação assistida no fim de 2017, produzindo até 6.400 litros de água potável a cada segundo. Atualmente, 54% dos trabalhos já estão concluídos.

"Uma grande conquista. Teremos água tratada de qualidade e uma grande segurança hídrica para São Paulo. Não ficaremos dependendo mais dos sete sistemas e teremos um sistema novo de abastecimento pra região metropolitana", explicou o governador.

Sistema Produtor de Água São Lourenço

O Sistema é uma obra da Sabesp que está sendo construída pelo modelo de PPP (Parceria Público-Privada). O consórcio executor é formado pela Camargo Corrêa e pela Andrade Gutierrez.

A água será retirada da represa Cachoeira do França, em Ibiúna, onde a estrutura de captação está em construção. A tubulação, ao sair da captação, passa por um trecho de Ibiúna e avança por Cotia até chegar a Vargem Grande Paulista, onde está sendo erguida a estação de tratamento de água (ETA).

Nesse trecho de 50 km, a água terá que subir, por isso ela será bombeada para vencer um desnível de mais de 300 metros de altura da serra de Paranapiacaba.

Em Vargem Grande Paulista, a futura estação de tratamento irá transformar o líquido retirado da represa em água potável. A partir daí a água tratada seguirá por cerca de 33 km de tubulações até as cidades beneficiadas. Os tubos passarão por baixo das duas pistas da rodovia Raposo Tavares e pelo túnel de um km em Cotia.

Do Portal do Governo do Estado