Notícias

Alerta: ataques de cobras e escorpiões aumentam no verão
05/01/2017

 

Saiba como proceder em casos de picadas desses animais peçonhentos

 

Com a chegada do verão e as fortes chuvas da estação, aumentam os casos de ataques por parte de animais peçonhentos, principalmente escorpiões e serpentes.

Os acidentes provocados por escorpiões, por exemplo, chegam a mais de 90 mil por ano. A picada desse aracnídeo provoca forte dor no local, que pode apresentar sudorese e vermelhidão. Porém, em mais de 95% dos casos restringem-se à dor e evoluem de forma benigna.

Uma porcentagem mínima das pessoas (em torno de 3% a 5%) pode desenvolver um quadro mais grave, apresentando sintomas como náuseas, vômitos, sudorese profusa e até acometimento cardiorrespiratório, levando à edema agudo de pulmão e choque, o que pode resultar em morte.

Por isso, o melhor a fazer em caso de picada de escorpião é a pessoa atacada passar algumas horas em observação em um hospital, para avaliação de sua evolução e da necessidade de administrar o soro específico para o caso.

A maior preocupação deve ser com as crianças, particularmente vulneráveis aos efeitos dos ataques dos escorpiões: 60% das vítimas fatais têm menos de 14 anos de idade.

Em relação aos acidentes com serpentes, 90% são causados por jararacas, uma espécie particularmente agressiva, cujo veneno provoca processo inflamatório local e interfere na coagulação do sangue, levando a sangramentos.

Não se deve apertar o local da picada, nem cortar ou furar na tentativa de extrair o veneno. Ações que, além de não ajudarem, podem levar a complicações. O ideal é manter a calma e lavar o local com água e sabão, antes de procurar o auxílio médico mais próximo para que seja administrado o soro antiofídico.

Quanto mais tempo o paciente passar sem atendimento, mais graves serão as consequências dos efeitos do veneno no organismo, daí a importância de um auxílio médico rápido e eficiente.

Assistência médica gratuita e orientação telefônica 24 horas
O Hospital Vital Brazil (HBV), situado dentro do Instituto Butantan, é especializado no atendimento a pacientes picados por animais peçonhentos e iniciou suas atividades em novembro de 1945.

O local funciona ininterruptamente, 24 horas por dia, com um serviço de pronto-atendimento e dispõe de 10 leitos para observação e/ou internação.

Pessoas com dúvidas ou vítimas de ataques por animais peçonhentos devem entrar em contato pelos telefones: (11) 3723-6969, (11) 2627-9529 e (11) 2627-9530.

Do Portal do Governo do Estado