Notícias

Chama Segura: menos acidentes relacionados ao gás de cozinha
12/01/2017

 

A cada ano aumenta o número de acidentes provocados pelo gás liquefeito de petróleo (GLP). Os motivos para essas ocorrências são muitos: vão desde vazamento, por causa do desgaste do registro regulador de pressão, mangueira e abraçadeiras, até a falta de fiscalização das tubulações de gás em edifícios, empresas e residências.

Apenas em São Paulo, o Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP) registrou 3.083 casos de acidentes por vazamento de gás de cozinha. Para reduzir esse número, a corporação, por meio da Fundação de Apoio ao Corpo de Bombeiros (Fundabom), em parceria com a empresa Liquigás Distribuidora, desenvolve, desde 2013, o programa Chama Segura.

“Os objetivos da iniciativa são a educação, a disseminação de informações e a conscientização da população sobre as formas corretas de transportar, armazenar e manusear o botijão de GLP”, informa o chefe de Divisão Educação Pública do Corpo de Bombeiros, major PM Alexandre Luís dos Santos. A iniciativa ocorre por meio de palestras ministradas por bombeiros educadores e tem como público-alvo o consumidor doméstico, residente em áreas de menor poder aquisitivo. “Em 2016, foram realizadas 21 eventos em locais definidos com base em dados estatísticos da corporação”, informa o major.

Cidadania – O gerente de Regulação e Relações Institucionais da Liquigás, Paulo Fernando Gordo, afirma que essa é a maior ação educacional dos bombeiros. “As palestras sobre o uso correto do GLP e a troca dos kits (que vão acoplados ao botijão) são, de certa maneira, uma forma de levar cidadania às regiões mais carentes do Estado de São Paulo”, afirma o gerente.

Apenas em 2015, foram realizadas palestras em 45 municípios paulistas; e, de 2013 para cá, época da criação do programa, mais de 16 mil pessoas foram beneficiadas. “É importante ressaltar que o número de pessoas atingidas pelos eventos é ainda maior, pois o conhecimento adquirido nas palestras normalmente é repassado para familiares, amigos e vizinhos”, explica o major PM Alexandre.

Além das palestras educativas sobre o correto uso do GLP, o projeto ainda faz a troca gratuita de kits de instalação de GLP (mangueiras, abraçadeiras e reguladores de pressão). “A iniciativa tem forte apelo ambiental, pois os kits são distribuídos mediante a entrega dos usados, garantindo, assim, a retirada do material em estado inadequado do mercado”, complementa o major.

Reciclagem – O programa Chama Segura promoveu, em 2015, a reciclagem de cerca de 700 quilos de componentes de botijões de GLP, que estavam fora do prazo de validade. O material deu origem a 2,3 mil novas peças (entre mangueiras e reguladores) usadas nesse tipo de instalação. No mesmo ano, a Liquigás distribuiu 5,2 mil kits completos.

Os materiais recolhidos foram encaminhados ao Grupo Forusi, que atua principalmente na fabricação de metais sanitários e reguladores de gás. Para a reciclagem, os metais dos reguladores são fundidos e transformados em lingotes, usados na fabricação de novas peças. As mangueiras, por sua vez, passam por processo de moagem. Todo o material recolhido é aproveitado.

DOE, Executivo I, 12/01/2017, p. III