Notícias

#DiaMundialdaÁgua: Conheça os diferentes tipos de água existentes
22/03/2017

 

Somente 2% da água encontrada no planeta é doce, ou seja, própria para o consumo e utilizada também pela indústria, agricultura e pecuária

 

Na escola aprendemos que quase dois terços do planeta são constituídos por água. Esse líquido precioso, escasso (na forma de água potável), finito e que, portanto, precisa ser conservado, se apresenta em diferentes tipos, de acordo com o seu grau de salinidade ou forma em que é encontrada. Confira abaixo quais são*:

Água salina ou salgada: tem grau de salinidade igual ou superior a 30 partes por mil. É a água encontrada nos mares e representa 97,5% do total. Possui uma grande quantidade de sais. O mais conhecido é o cloreto de sódio, o popular sal de cozinha. É impossível de ser consumida em seu estado natural. Por isso, projetos de dessalinização são desenvolvidos, principalmente em nações com mais carência de água doce.

Água Doce: águas com salinidade igual ou inferior a 0,5 partes por mil. Embora o nome remeta ao açúcar, o termo se refere apenas à ausência ou baixa concentração de sal. Só 2% da água encontrada no planeta é doce. A água doce encontrada em rios, lagos e ribeiras é utilizada não somente para o consumo humano, mas também para a produção, na indústria, agricultura e a pecuária. Para ser utilizada para o consumo humano, a água doce passa por um processo de tratamento, que ocorre nas ETAs (Estação de Tratamento de Água). Nesses locais, a água é tratada, separada das impurezas e adicionados produtos químicos, como o cloro, para eliminar os microrganismos que provocam doenças. Somente depois desse processo é que a água pode ser consumida.

Água Salobra: água com salinidade superior a 0,5 partes por mil e inferior a 30 partes por mil. Tem a aparência turva e possui grandes quantidades de substâncias. É encontrada em regiões de mangue e é imprópria para consumo.

As águas também podem ser classificadas de acordo com o lugar onde se encontram:

Águas superficiais: são aquelas que se acumulam nas superfícies. É encontrada em rios, riachos, lagoas, pântanos, mares etc. Por não penetrarem no solo, o acesso a elas se torna mais fácil. Por isso, atualmente é a principal fonte de abastecimento do planeta.

Águas subterrâneas: são aquelas que se encontram naturalmente ou artificialmente no subsolo. Esse tipo de água doce se apresenta em grande quantidade no planeta, mas, muitas vezes, o processo para captá-la é bastante complexo, em razão do aprofundamento dos lençóis freáticos ou da presença de rochas duras, o que torna o seu uso mais difícil e caro.

Por causa da ausência de água doce em algumas regiões, a extração subterrânea é bastante utilizada para o uso industrial, agricultura e residências. Também são bastante importantes para manter a umidade do solo e alimentação de muitos lagos e rios. Em regiões afastadas dos grandes centros em que não há presença de água encanada, são extraídas de poços artesianos, sendo boa opção para o consumo.

A água é considerada poluída quando possui muitas substâncias que alteram as suas características físicas e químicas, quer seja ela doce, salgada, salobra, superficial ou subterrânea. Se além das alterações, ela apresentar organismos patogêneos ou substâncias tóxicas, dizemos que a água está contaminada.

No Estado de São Paulo, a Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) monitora a qualidade das águas superficiais, subterrâneas, interiores e costeiras e também as praias do litoral norte e sul (clique aqui para saber as condições das praias paulistas).

A Cetesb também emite licenciamento ambiental para diversos tipos de empreendimentos que venham apresentar impactos sobre o ambiente (saiba mais) e o monitoramento da qualidade do ar na Região Metropolitana de São Paulo.

*Com informações do site do Sistema Ambiental Paulista.

#DiaMundialdaÁgua

Do Portal do Governo do Estado