Notícias

Taxa de juros atinge piso histórico, e rendimento da poupança muda
31/05/2012

 

Ritmo lento da atividade econômica faz Banco Central reduzir taxa Selic de 9% para 8,5% ao ano

 

Nova fórmula de cálculo do rendimento da caderneta entra em vigor com a redução da taxa a partir de hoje

GUSTAVO PATU
MAELI PRADO
DE BRASÍLIA

O Banco Central aproveitou o momento de pasmaceira na economia brasileira e reduziu ontem a taxa básica de juros do país para seu menor patamar histórico.


Com a medida, entrará em vigor a nova regra para a remuneração das cadernetas de poupança, que resultará a partir de agora em ganhos inferiores -ligeiramente, por enquanto- aos tradicionais 6,17% anuais.


A taxa Selic, que serve de base para o rendimento das aplicações financeiras e o custo dos empréstimos bancários, caiu de 9% para 8,5% ao ano. Trata-se do menor percentual desde a criação da taxa, em 1986.


Se descontada a expectativa de inflação, o juro real no Brasil caiu para 2,8%, ainda um dos mais altos do mundo, mas o menor desde a edição do Plano Real, em 1994. Comparações com períodos anteriores são dificultadas pela sequência de planos econômicos e trocas de moedas.


Foi justamente a nova regra da poupança, editada no início do mês, que permitiu a redução das taxas, um objetivo perseguido pela presidente Dilma Rousseff e por sua equipe econômica desde que ela chegou à Presidência.


Sem a mudança na poupança, cortes mais ousados dos juros levariam as demais aplicações de renda fixa a renderem menos que as cadernetas, provocando um desequilíbrio no mercado.


Pela nova metodologia, a poupança renderá o equivalente a 70% da Selic quando a taxa do BC for igual ou inferior a 8,5%. O rendimento passará, portanto, a 5,95% ao ano, além da TR (Taxa Referencial), que tende a se aproximar de zero.


Esse ganho valerá para todos os depósitos feitos a partir de hoje. Para os depósitos entre a edição da regra e ontem, a remuneração será aplicada depois do aniversário da aplicação. Depósitos anteriores à regra mantêm a antiga remuneração.


CRISE


Mesmo com a inflação ainda acima da meta oficial de 4,5% ao ano, o BC vem reduzindo os juros desde o final de agosto do ano passado, devido ao impacto da crise internacional sobre o crescimento econômico do país.


Os indicadores mostram, no entanto, que o consumo e o investimento têm reagido com lentidão ao estímulo monetário. Os números do Produto Interno Bruto no primeiro trimestre, que serão divulgados amanhã, deverão mostrar expansão modesta.


O cenário permitiu ao governo Dilma Rousseff, ao menos, faturar politicamente a queda dos juros. Depois da pressão pública para a redução dos juros cobrados pelos bancos, já se fala, reservadamente, em uma taxa abaixo de 8% até o final do ano.


A decisão de ontem, já esperada pelo mercado, foi tomada por unanimidade do Comitê de Política Monetária, formado pelo presidente do BC, Alexandre Tombini, e os seis diretores da instituição.


No comunicado divulgado após a reunião, o primeiro em que os votos dos membros do Copom foram indicados nominalmente, o comitê repetiu a justificativa apresentada em abril, quando os juros caíram de 9,75% para 9%.


Fonte: Folha de S.Paulo/Poder