Notícias

Artesp e concessionárias retiram 50 toneladas de lixo das rodovias
06/04/2017

 

Operação tem por objetivo combater focos do Aedes aegypti e evitar que resíduos abandonados provoquem acidentes

 

Sabe aquela embalagem de salgadinho, papel de bala ou lata de refrigerante que inadvertidamente alguém joga pela janela do automóvel na rodovia? Esse ato aparentemente casual, aliado ao que fazem muitas pessoas que moram no entorno das pistas, pode ter sérias consequências.

O Mutirão da Dengue promovido pela Artesp – Agência de Transporte do Estado de São Paulo, em parceria com concessionárias de rodovias paulistas, retirou 50 toneladas de lixo, que podem esconder focos do Aedes aegypti, mosquito que transmite a dengue e outras doenças conhecidas como arboviroses.

Agentes das concessionárias fazem o trabalho de limpeza regular das rodovias uma vez por semana. Nessa ação especial da Artesp, o trabalho foi intensificado e, como resultado, foi recolhida essa grande quantidade de lixo das rodovias. Vários voluntários de outras áreas das concessionárias foram mobilizados na operação, que contou com o apoio da Sucen – Superintendência de Controle de Epidemias, autarquia ligada à Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.

Além de servir de foco para proliferação de mosquitos, o lixo abandonado nas rodovias pode entupir o sistema de drenagem das pistas, causando danos estruturais à rede, além de poluir áreas de preservação ambiental e provocar acúmulo de água e acidentes de trânsito.

Para dar uma ideia da quantidade de lixo retirado das pistas, em 2015, somente nas rodovias paulistas sob concessão, foram recolhidas 15,4 mil toneladas de resíduos pelas concessionárias. Foram retirados, principalmente, garrafas plásticas, papel, latas de alumínio e restos de pneu. Mas há também restos de móveis, como sofás, cadeiras e até geladeiras velhas, além de resíduos de construção civil e vários materiais.

Por isso, quando for pegar a estrada, acostume-se a guardar o lixo acumulado em uma sacola para descartar o conteúdo em local apropriado. A natureza agradece e ao mesmo tempo você contribui para evitar doenças e preservar a saúde de todos.

Para saber mais sobre como evitar focos do Aedes aegypti e doenças como a dengue, zika e chikungunya, clique aqui.

Do Portal do Governo do Estado