Notícias

Sistemas agroflorestais do Estado de SP passarão por monitoramento
22/05/2017

 

Informações ajudarão no desenvolvimento de políticas públicas para restauração ambiental e implantação de projetos na área

 

Os parceiros que compõe o Painel Agroflorestal iniciam, neste mês, a análise dos dados de seis sistemas agroflorestais (SAFs) que integram o Programa de Desenvolvimento Rural Sustentável. Serão considerados os aspectos ecológicos, econômicos e sociais dos projetos em atividade no território paulista.

Ao todo, foram implantados 21 planos, em cerca de 600 hectares. Os SAFs estão situados principalmente em assentamentos rurais, em todo o Estado de São Paulo.

O Painel Agroflorestal é um grupo de trabalho instituído pela Secretaria do Meio Ambiente e composto por técnicos e pesquisadores de vários órgãos nacionais e estrangeiros. Participam da iniciativa a Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais, Secretaria de Agricultura e Abastecimento, Embrapa Meio Ambiente, além da Esalq/USP, UFSCar, Unesp, Unicamp, Mutirão Agroflorestal, Ipê e ICRAF, organização internacional especializada em manejo sustentável.

Políticas públicas

O projeto tem o objetivo de apoiar a administração pública estadual no desenvolvimento de estratégias relacionadas ao monitoramento de curto, médio e longo prazo no setor. A ideia é conhecer os benefícios ambientais e transformações da implantação dos sistemas agroflorestais, por exemplo, quanto à ocorrência de doenças e pragas, atração de fauna, produtividade das espécies, práticas inovadoras dos agricultores e aumento na geração de renda, entre outros.

Além das questões de monitoramento, os parceiros acompanham o andamento geral das atividades, com apoio à definição de diretrizes de capacitação para a equipe técnica e lavradores.

Resultados

Mesmo antes dos resultados, já é possível observar que os SAFs atraem fauna e, principalmente, como as iniciativas permitem a redução do uso de agrotóxicos. Isso representa produtos saudáveis para o consumidor e mais satisfação dos agricultores, além da menor poluição dos solos e águas.

Todos os projetos terão acompanhamento. Os primeiros resultados devem ser divulgados em setembro de 2017. A proposta continuar a análise dos dados e incorporar informações das transformações em SAFs de quatro a cinco anos de implantação.

Do Portal do Governo do Estado