Notícias

Barco chinês amplia acesso a programa de reabilitação do câncer de mama
3/10/2017

 

Novo Barco Dragão dá início a ações de Outubro Rosa do IC e amplia vagas no Remama, que tem usa o remo na reabilitação de mulheres

 

Foram realizadas nesta terça-feira (3) a apresentação e batismo de um novo Barco Dragão, embarcação oficial para competições de remo. O barco será destinado a pacientes que fizeram tratamento contra o câncer de mama no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), unidade do Hospital das Clínicas, ligado à Secretária da Saúde e à Faculdade de Medicina da USP.

“O remo melhora a musculatura da perna, do abdômen, peitoral e braço. Tem um efeito extraordinário. Promove saúde, melhora o aspecto imunológico, é um aliado extraordinário para a recuperação e combate ao câncer”, declarou o governador Geraldo Alckmin, que participou do evento na Raia Olímpica da USP, que marcou ainda início das ações do Outubro Rosa, no movimento #ÉPraFrenteQueSeRema. O movimento levantar a bandeira da atividade física na prevenção do câncer de mama

“O câncer é uma doença curável, desde que diagnosticada e tratada adequadamente. E o Outubro Rosa é dedicado à prevenção e tratamento do câncer de mama, que é o que mais preocupa nas mulheres”, comentou Alckmin.

A aquisição do Barco Dragão, que veio diretamente da China, foi patrocinada pela Associação para a Educação, Esporte, Cultura e Profissionalização da Divisão de Reabilitação do Hospital das Clínicas (AEDREHC). Com ele, haverá o aumento no número de vagas dentro do programa, que tem o remo como aliado na reabilitação de mulheres que passaram pelo tratamento oncológico.

O programa “Remama”, realizado pelo Icesp e a Rede de Reabilitação Lucy Montoro, ligada à Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência e, também, em parceria com o Centro de Práticas Esportivas da USP (Cepeusp), foi lançado em 2013, inspirado em um movimento mundial de superação da doença através do esporte.

A iniciativa busca minimizar a reincidência da doença em virtude do aumento da resistência física e melhora do sistema imunológico. Para completar, resgata a qualidade de vida dessas mulheres, estimulando a interação social e elevando a autoestima delas.

As pacientes de mama que passaram por cirurgia ou sessões de quimioterapia podem fazer parte do programa, que oferece treinamento com exercícios de remada, dentro do Centro de Reabilitação do hospital e, em seguida, a prática do esporte, ao ar livre, na Raia Olímpica de Remo da USP, sempre monitoradas por profissionais de Educação Física.

Com a prática do esporte, a reincidência da doença é minimizada em virtude do aumento da resistência física, que influencia na melhora do sistema imunológico para trabalhar no combate ao desenvolvimento de doenças. A prática de exercícios pode auxiliar tanto na prevenção do câncer, quanto na reabilitação da doença, explica Dra. Dra. Christina May Moran de Brito, Coordenadora Médica do Serviço de Reabilitação do Icesp.

A equipe de remadoras, que foi batizada pelas próprias pacientes como “Remama Dragão Rosa”, em breve, participará de duas competições importantes. Além de ser uma das duas equipes brasileiras inscritas no IBCPC (International Breast Cancer Padlers Commission), em outubro, integrará a segunda edição do Kaora, festival realizado em Dragon Boats.

Do Portal do Governo