Notícias

São Paulo pode sediar o primeiro hospital chinês da América Latina
30/10/2017

 

Reunião no Palácio dos Bandeirantes tratou de investimentos inéditos e parcerias com o Governo da China no setor de saúde

 

Uma comitiva de autoridades da área médica do governo da China foi recebida, nesta segunda-feira (30), pelo governador Geraldo Alckmin. O encontro, realizado no Palácio dos Bandeirantes, abordou o projeto de construção do primeiro hospital chinês da América Latina em São Paulo, além de parcerias com o Estado no setor de saúde.


De acordo com informações da Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil-China, que solicitou a audiência, o hospital teria capacidade para atender tanto a comunidade brasileira como chinesa, com atendimento em português e mandarim.


“A proposta é de unir a Medicina Tradicional Chinesa com as técnicas ocidentais, tanto na área de prevenção quanto na cura. O complexo hospitalar comportaria 250 leitos, com 50 de UTI, além de shopping e área cultural, com parque”, destaca a assessora Especial para Assuntos Internacionais do Governo do Estado de São Paulo, Ana Paula Fava, que também participou da reunião. “O governador Geraldo Alckmin reforçou a presença da China em São Paulo como um grande parceiro, principalmente na área empresarial, e, agora, com perspectiva de investimentos na área médica”, acrescenta.


Investimentos
Um dos países com maior crescimento no mundo, a China ainda tem o bom desempenho vinculado à indústria energética, de construção e agronegócio e quer ampliar os investimentos para a área da saúde, principalmente na expansão da Medicina Tradicional Chinesa.


“Com abundantes fontes de material de ervas terapêuticas chinesas e mais de 100 mil fórmulas patenteadas, há grande espaço de desenvolvimento novos produtos de cuidado com a saúde, com potencial aumento de mercado”, ressalta o documento da Câmara Brasil-China. “É também uma nova tendência a substituir as drogas químicas pelas naturais, o que também será um importante valor da medicina chinesa no desenvolvimento moderno”, conclui.


A delegação faz parte da Administração de Medicina Tradicional Chinesa do Governo da República da China. Participaram do encontro o vice-ministro da Saúde Nacional e Planejamento Familiar, Wang Guoqiang, o diretor-geral do escritório de Controle de Doenças, Yu Jingjin, o diretor-geral de Cooperação Internacional, Wang Xiaopin, o diretor-geral de Cooperação Internacional, Nie Jiangang, e o diretor do escritório europeu e americano de Cooperação Internacional, Lu Ming. O encontro também contou com a presenta do secretário estadual da Saúde, David Uip.


Parcerias
Desde a audiência do governador Geraldo Alckmin com a vice-primeira-ministra da China, Liu Yandong, no Palácio dos Bandeirantes, em agosto do ano passado, o Governo paulista recebeu onze delegações chinesas. O último encontro do governador com um representante do governo da China ocorreu em setembro deste ano, quando foi anunciado o consórcio chinês Temoinsa-Sifang/CRRC como o vencedor da concorrência para fabricar os trens da Linha 13-Jade, da CPTM, que levará os passageiros ao Aeroporto Internacional de Guarulhos.


Durante o anúncio, a nova cônsul-geral da China no Brasil, Chen Peijie, enfatizou a importância das parcerias com as instituições paulistas. Desde 2007, São Paulo e China somam oito acordos de cooperação assinados, principalmente nas áreas de meio ambiente, agricultura e esporte. O Estado de São Paulo é o maior parceiro comercial e de investimentos da China na América Latina e possui uma colônia de 300 mil chineses.


No primeiro bimestre deste ano, as empresas do país asiático importaram das indústrias da região do Vale do Paraíba quase R$ 1 bilhão a mais do que os norte-americanos. Trata-se do maior aumento de uma única nação compradora na balança comercial da região metropolitana do Vale do Paraíba. A China já é o principal comprador dos produtos feitos em Jacareí, o segundo maior em São José dos Campos e o 13º maior em Taubaté.


Do Portal do Governo