Notícias

Justiça veta auxílio-paletó para deputados paulistas
23/06/2012

 

Benefício, suspenso desde o ano passado, equivalia a 14º e 15º salários

 

Tucano Barros Munhoz, que chefia Assembleia, fará reunião para decidir sobre recurso; petista é contra recorrer


RODRIGO VIZEU
DE SÃO PAULO


A Justiça de São Paulo acabou com o pagamento do chamado auxílio-paletó aos deputados da Assembleia Legislativa do Estado.


O benefício, pago anualmente em duas parcelas de R$ 20 mil cada uma, equivalia a um 14º e um 15º salários aos deputados, que ganham R$ 20 mil mensais. O auxílio custava R$ 3,7 milhões anuais aos cofres públicos.


A decisão foi tomada anteontem pelo juiz Luis Fernando Camargo de Barros Vidal, da 3ª Vara de Fazenda Pública, em resposta a ação do Ministério Público Estadual.


A ajuda de custo, como é chamada oficialmente, já estava suspensa desde novembro do ano passado por liminar do mesmo juiz.


A Assembleia pode recorrer da decisão, que é de primeira instância, mas ainda não decidiu se vai fazê-lo.


Historicamente, o benefício surgiu com o argumento de que os deputados precisavam de um extra para renovar o guarda-roupa. Na prática, porém, não era preciso prestar contas de como o dinheiro era gasto.


A segunda parte é paga apenas se o deputado comparece, no mínimo, a dois terços das sessões do plenário da Assembleia.


A Promotoria considerou a verba inconstitucional por não ter caráter indenizatório, já que a primeira parcela era paga no início do ano, independentemente de qualquer ato do deputado ou de despesas justificadas.


A Assembleia argumentava que o benefício está previsto na legislação estadual e na Constituição Federal. A Casa também ressaltava que os deputados federais e os senadores também têm direito ao dinheiro.


No mês passado, o Senado aprovou o fim dos salários extras, mas a mudança precisa ser votada na Câmara.


Em sua sentença, o juiz Vidal afirma que "o argumento de que a verba deve ser paga porque a Câmara Federal paga é desprovido de razoabilidade, lógica e coerência".


Levantamento feito pela Folha em dezembro passado mostrou que, além de São Paulo, outros nove Estados pagavam o auxílio-paletó.


Questionada sobre o fim do auxílio, a assessoria do presidente da Assembleia, Barros Munhoz (PSDB), disse que ele vai reunir a Mesa Diretora a partir desta segunda-feira para decidir se vai recorrer da decisão judicial.


A assessoria disse que o tucano não emitiria posição prévia sobre o que defende.


Ele vai tomar a decisão em conjunto com Aldo Demarchi (DEM) e Rui Falcão (PT), titulares da Mesa.


Demarchi não foi encontrado ontem pela reportagem. Por meio de sua assessoria, Rui Falcão, que é presidente nacional do PT, afirmou que é contra o auxílio-paletó e que vai defender na reunião que a Assembleia não entre com recurso na Justiça.


Fonte: Folha de S.Paulo/Poder