Notícias

Paulo Freire, agora na internet
18/07/2012

 

Um dos mais representativos acervos sobre a vida e a obra do educador Paulo Freire está disponível na internet para acesso gratuito. O endereço eletrônico reúne grande parte da sua obra intelectual, além de saberes, reflexões,
estudos e pesquisas sobre o pensamento
freiriano, em arquivos de imagem, áudio e vídeo.
Parceria firmada entre o Instituto Paulo Freire e a Universidade de São Paulo (USP) possibilitou a realização digital, que integra o projeto Paulo Freire Memória e Presença: Preservação e Democratização do Acesso ao Patrimônio
Cultural Brasileiro. Para a colocação do acervo na rede, a equipe do instituto contou com ferramenta desenvolvida pela USP: a Plataforma Corisco, além de apoio dos especialistas da Escola Politécnica, responsáveis pela tecnologia.
Ela foi criada para a biblioteca digital
Brasiliana USP, que desde 2009 vem oferecendo o acesso gratuito a obras e documentos digitalizados a partir da maior coleção bibliográfica existente sobre o Brasil. Pela parceria, o instituto pode utilizar a plataforma para dispor na internet o acervo sobre Paulo Freire e, em contrapartida, contribui com a elaboração de novos recursos para a Corisco.
O coordenador do projeto, Anderson
Alencar, explica que, desde que passou a
usufruir do sistema, no final do ano passado, o instituto acrescentou a ele, por exemplo, recursos que possibilitam o acesso a áudio e vídeo. “A USP não havia desenvolvido essas funcionalidades por não serem necessárias para a Brasiliana, cujo conteúdo é basicamente de texto. Como o nosso acervo tem muito material audiovisual, criamos as ferramentas, que agora ficam à disposição na plataforma”.
Outras novidades foram links para a integração com redes sociais, como o
Facebook, Twitter e Orkut, um menu à
esquerda, e a possibilidade de exibição de várias fotos ao mesmo tempo, já que antes só era possível a visualização de um registro por vez.
Para seu funcionamento, o sistema
da USP usa como base o DSpace, criado
pelo americano Massachusetts Institute of Technology (MIT), cujo uso é livre, inclusive para modificações e adaptações. A Corisco segue a mesma linha. E tem sido adotada para a organização dos acervos digitais de outras instituições brasileiras, entre elas a Fundação Getúlio Vargas (FGV) e o Senado. “É uma solução muito robusta”, avalia Alencar.
Acesso a todos – O projeto Paulo Freire Memória e Presença começou a ser
realizado em 2010, depois da seleção pública no Programa Petrobras Cultural (PPC), de 2010. “É a concretização de um sonho de Paulo Freire e da comunidade nacional e internacional”, define.
Abrangem a organização e catalogação
do acervo físico do Centro de Referência
Paulo Freire a digitalização de 30 mil páginas de textos, cem vídeos, 200 fitas cassete, 500 fotos clicadas por Paulo Freire e grande quantidade de material produzido no instituto sobre o educador. Além disso, cumpre o objetivo de dispor esse acervo para acesso gratuito, tanto de forma presencial como virtual. A equipe do projeto também recebe materiais de Paulo Freire ou sobre ele para compartilhamento.
Segundo Alencar, a maior parte do projeto, no que se refere ao conteúdo digital, já está concluída. Podem ser consultados e baixados livros, artigos, fotos, manuscritos, imagens, além de locuções de alguns livros do educador, cujo conteúdo impresso não pode ser digitalizado por questões de direitos autorais. “Obtivemos a autorização
dos filhos de Freire e das editoras para gravar e divulgar a locução de vários de seus livros, entre eles os mais conhecidos, como Pedagogia do oprimido e Aprendendo com a própria história”, diz o coordenador.
Também são encontrados no repositório
eletrônico textos que foram traduzidos para outras línguas, outro trabalho realizado pela equipe. A maioria do material está à disposição sob a licença coletiva Creative Commons, que permite o uso, mas não a comercialização ou modificação. Mas há bastante conteúdo
cujas obras derivadas são permitidas.
Embora bastante abastecido, o acervo
digital ainda tem o status de versão em
teste. Isso porque a colocação na rede se deu com o projeto em andamento, em vez do produto acabado. “Temos a intenção de acrescentar mais funcionalidades até o fim do ano”, esclarece Alencar.



Simone de Marco
Da Agência Imprensa Oficial


DOE, 18/07/2012, Executivo I, p. II