Notícias

Anatel diz que venda de chips não deve voltar já
24/07/2012

 

Prazo 'razoável' para retomada dos negócios é de 15 dias, diz a agência

 

Paulo Bernardo afirma que Claro, que teve as vendas suspensas em São Paulo, 'está com boas intenções'

DE BRASÍLIA

A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) não deve aprovar nesta semana a retomada das vendas de novas linhas por nenhuma das operadoras de telefonia móvel que foram punidas com suspensão -que começou a vigorar ontem.


Para o ministro Paulo Bernardo (Comunicações), o prazo "razoável" para normalização das vendas é de 15 dias.


Bruno Ramos, superintendente de serviços privados da Anatel, diz que, apesar do empenho das empresas, ainda há detalhes importantes nos planos das companhias que precisam ser revistos.


Ontem, a Claro esteve com o grupo técnico da agência e saiu do encontro com a tarefa de rever, por exemplo, a projeção de demanda, ou seja, quanto as pessoas devem fazer uso do serviço e qual o limite suportado pela rede.


O presidente da companhia, que esteve na Anatel e, logo depois, foi conversar com o ministro, disse que os ajustes são pontos específicos, que serão entregues hoje para a agência reguladora.


"A empresa convenceu de que está com boas intenções", disse Bernardo. A Claro teve a venda de novos chips suspensa em São Paulo.


O ministro também disse que, com os problemas no 3G, o dono de um smartphone tem, na verdade, um telefone "burro".


Também está prevista para hoje a reunião da TIM e da Oi com técnicos da agência.


Ontem, a 4ª Vara da Justiça Federal do Distrito Federal negou o pedido de liminar da TIM, que buscava liberação para a venda de chips em 18 Estados e no Distrito Federal, regiões em que a operadora foi punida.


PEDIDO DE CPI


As operadoras de telefonia e a Anatel podem ser alvos de uma CPI na Câmara. O requerimento que pede a criação de uma comissão para investigar o setor já reúne 165 das 171 assinaturas necessárias.


O objetivo central da CPI é investigar as altas tarifas telefônicas.


Fonte: Folha de S.Paulo/Mercado