Notícias

Dilma fala em suspender IPI menor de carro
27/07/2012

 

Recado do governo foi dado a montadoras depois que sindicato pediu intervenção contra fechamento de vagas na GM

 

Manutenção do nível de emprego era condição para que os fabricantes tivessem queda na alíquota do imposto

NATUZA NERY
VALDO CRUZ
DE BRASÍLIA

Para evitar demissões, o governo de Dilma Rousseff ameaça suspender a redução do IPI para automóveis, que está em vigor desde maio e valeria até 31 de agosto.


O recado foi dado após o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos pedir a intervenção do Executivo para evitar demissões.


Sindicalistas dizem que a montadora pretende fechar a unidade de São José, algo que Dilma só pretende aceitar se forem criadas vagas equivalentes em outra fábrica.


Segundo o governo, se a GM reduzir o número de postos de trabalho, será revisto o incentivo a todo o setor.


A ameaça ocorre na semana em que o governo puniu as operadoras de celular com a suspensão de vendas.


O incentivo foi concedido a pedido da associação dos fabricantes de veículos (Anfavea). A Fazenda autorizou a redução do IPI para incentivar vendas e enxugar os estoques. Uma das condições era preservar empregos.


Alguns ministros reconhecem que a suspensão do IPI reduzido é drástica e que o Planalto aposta num acordo.


O governo convocou a GM e a Anfavea a dar explicações. A reunião está agendada para a próxima terça, com Guido Mantega (Fazenda).


Além do caso da GM, houve reduções em turnos de produção e demissões no setor de caminhões.


Anteontem, a GM anunciou o fim da produção do Corsa em São José. Para o sindicato, a decisão confirma a intenção da empresa de fechar a unidade e acabar com até 2.000 postos de trabalho.


A montadora se comprometeu a não demitir até novo encontro, em agosto.


PROPOSTA


O Ministério Público do Trabalho em Campinas propôs ontem que a GM suspenda os contratos de trabalho dos funcionários que correm o risco de ser demitidos. Essa opção foi adotada recentemente pela Mercedes, no sistema chamado "lay-off".


A CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) permite a suspensão dos contratos por dois a cinco meses. No período, os empregados têm de participar de cursos ou programas de qualificação oferecidos pelo empregador.


Segundo o Ministério Público do Trabalho, a GM deve dar uma resposta no dia 4 de agosto, em nova reunião.


Colaborou CLAUDIA ROLLI, de São Paulo


Fonte: Folha de S.Paulo/Mercado