Notícias

Instituto do Câncer de SP terá robô para cirurgias
07/08/2012

 

Aparelho, primeiro da rede pública estadual, começa a ser usado neste ano

 

Anúncio foi feito ontem durante a entrega do Prêmio Octavio Frias de Oliveira; equipamento será usado para estudos

CLÁUDIA COLLUCCI
DE SÃO PAULO

O Icesp (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira) começa a realizar cirurgias oncológicas com um robô até o final deste ano.


Será o primeiro hospital público paulista a adotar o procedimento.


Uma verba de R$ 8 milhões foi liberada pelo governo federal, além da garantia de custeio do equipamento no período de dois anos.


O robô será usado em cirurgias de cabeça e pescoço, urológicas e gastrointestinais.


Segundo Paulo Hoff, diretor do Icesp, o instituto realizará estudos de custo e efetividade sobre a cirurgia robótica, que vão auxiliar o governo na decisão de incorporar ou não a tecnologia no SUS.


"É muito importante ter isenção para avaliar a incorporação de novas tecnologias, ver se ela é necessária e não ficar refém dos interesses da indústria", afirmou o secretário de Estado da Saúde, Giovanni Guido Cerri.


A novidade foi anunciada ontem, na entrega do Prêmio Octavio Frias de Oliveira, no Icesp. A láurea leva o nome do publisher da Folha, morto em 2007 e que completaria cem anos anteontem.


Durante o evento, ele foi homenageado. "Foi um grande empreendedor, que mudou o jornalismo brasileiro entendendo que para ter liberdade é preciso ter independência", disse o governador Geraldo Alckmin (PSDB).


Maria Cristina Frias, que representou a família, lembrou que o espírito de iniciativa e a perseverança eram marcas do pai. "São valores presentes nos profissionais hoje aqui premiados."


Na categoria Pesquisa em Oncologia, venceu um grupo de cientistas da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), que demonstrou a relação entre a inflamação do tecido gorduroso e o câncer intestinal.


"O prêmio nos estimula a buscar mais respostas e seguir adiante com o trabalho", afirmou José Barreto Carvalheira, professor de oncologia da Unicamp e coordenador da pesquisa.


Na categoria Personalidade em Destaque, venceu a família Ermírio de Moraes, que no ano passado doou R$ 2,5 milhões ao Icesp para a compra de um ultrassom que destrói tumores sem cortes.


"Está no DNA da nossa família investir na saúde e em projetos para os mais necessitados", disse Rubens Ermírio de Moraes, presidente da diretoria administrativa do Hospital Beneficência Portuguesa e representante da família. Também presente estava Regina Helena Velloso, presidente da AACD.


A família, que apoia ainda o Hospital A.C. Camargo, doará o prêmio, de R$ 8.000, a instituições filantrópicas.


Na próxima edição da láurea, podem concorrer pesquisas publicadas em 2012 e 2013 com ao menos um autor brasileiro. Mais informações: premio@icesp.org.br ou no telefone 0/xx/11/3893-4604.


Colaborou DANIELA LIMA


Fonte: Folha de S.Paulo/Ciência+Saúde